Eurostat revela que a antiguidade, ainda, é o maior valor nos Recursos Humanos

por: António Manuel Teixeira
Eurostat revela que a antiguidade, ainda, é o maior valor nos Recursos Humanos
O Turismo.PT

O  turismo na União Europeia (UE) foi muito atingido pela pandemia de 2020 a 2022, mas o sector é tradicionalmente um player importante no mercado de trabalho, oferecendo uma mão-de-obra diversificada, revela um estudo da Eurostat.

Em 2020, o sector oferecia trabalho mais mulheres do que homens: 58% de trabalhadores do sexo feminino. No entanto, existiam menos mulheres do que homens em todas as actividades económicas, um valor de 46%, noticiou o Ambitur.

O sector também empregava um valor mais elevado de trabalhadores com baixa escolaridade: 18% comparado com 17% dos trabalhadores em todas as atividades económicas. Os estrangeiros e os jovens registam 13% e 9%, respectivamente.

Em 2019 foi registada umas percentagens relativas mais elevadas dos dois últimos grupos: 15% e 11%, comparado com 8% e 8% dos trabalhadores em todas as atividades económicas em 2019, respetivamente. A diminuição para 2020 deverá dever-se essencialmente às limitações da movimentação entre países para potenciais novos trabalhadores estrangeiros, e a uma transição mais difícil da formação para o mercado de trabalho estando a actividade do turismo na sua maioria estanca.

Os Recursos Humanos turísticos caracterizam-se por percentagens relativamente elevadas de trabalhadores em part-time, 23% comparado com 19% de todas as actividades económicas, contratos temporários 18% face a 14% e uma média de antiguidade mais reduzida, ou seja 29% dos trabalhadores têm o actual emprego há menos de dois anos comparado com 23%.

RIU Hotels & Resorts

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade