A actividade dinâmica da Cozinha

A actividade dinâmica da Cozinha
a cozinha

A cozinha foi, desde sempre, uma actividade dinâmica e em processo continuado de aperfeiçoamento e inovação.


Por isso, algumas vezes, tentamos entender, no tempo, a forma como a cozinha actual chegou até nós.
 Da cozinha primitiva, ainda sem utensílios próprios, passando pelas variadas fontes de energia, até à actual maquinaria disponível, passaram-se séculos de um processo lento até chegar ao século XX.
Depois do aparecimento do fogo inicia-se um modo de convívio fundamental com as refeições em grupo, sentados à volta da fogueira.
O alimento é assim “muito mais do que uma necessidade vital. É também uma fonte de prazer, o fundamento da linguagem, uma dimensão social do erotismo, uma atividade económica importante, um ambiente de trocas, um elemento-chave da organização das sociedades. Ele estabelece as nossas relações com outras pessoas, com a natureza e com os animais. É a mais perfeita medida da estranheza da nossa condição e da natureza das relações entre os sexos”; eis a dimensão invulgar que Jacques Attali lhe atribui no seu livro Histoires de l’alimentaion, 2019.

Uma refeição é, pois, muito mais do que o acto necessário de alimentação e, no século XX, assistimos ao crescendo na atitude de tomar refeições fora de casa; e agora muitos dos que comem em casa consomem refeições confeccionadas no exterior e desenvolve-se uma nova actividade de transportadores que não se lembram de que há regras de trânsito. Até estranho não haver mais acidentes…

Nesta crónica não utilizarei fotografias pois o objectivo não é identificar os locais, e muitas vezes as fotos denunciam o estabelecimento. O sentido é identificar situações que não devem ser multiplicadas.


Já anteriormente assinalei a moda de utilização excessiva de vinagre balsâmico e, infelizmente, com cópias do autêntico. A forma mais comum, e disseram-me que era uma questão de estética e de moda, eram os pingos de balsâmico na taça onde deveria existir apenas o azeite. Quem quer molhar o pão para apreciar o azeite corre o risco de levar um toque adocicado. Felizmente esta moda está a cair em desuso. Também decorar os pratos com riscos de balsâmico quer seja peixe quer seja carne, grelhados, e em muitas outras formas de confeção tem sido uma prática.
Não se deve exagerar ou generalizar a utilização deste vinagre tão delicado que não é acompanhamento recomendado para tudo!

QATAR turismo

RIU Hotels & Resorts

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade