Em discussão pública até Janeiro, o Plano Turismo + Sustentável 20-23

Em discussão pública até Janeiro,  o Plano Turismo + Sustentável 20-23
divulgação

Foi hoje conhecido o  Plano Turismo + Sustentável 20-23, numa sessão pública, que teve lugar na sede do Turismo de Portugal, em Lisboa,

Estando em consulta pública até 26 de Janeiro, este plano integra quatro eixos estratégicos tais  como “Estruturar uma oferta cada vez mais sustentável; Qualificar os agentes do sector; Promover Portugal como um destino sustentável; Monitorizar as métricas de sustentabilidade do sector.

As metas a alcançar em 2023 prendem-se com o incremento de 50% de empreendimentos turísticos com sistemas de eficiência energética, água e gestão de resíduos, a eliminação de plástico de uso único em 50% de empreendimentos turísticos de 4* e 5*, 25.000 aderentes ao selo Clean & Safe, 30.000 formados e 1.000 auditados, formação de 50.000 profissionais nas áreas da sustentabilidade e 500 referências internacionais sobre a oferta sustentável em Portugal.

A Secretária de Estado do Turismo referiu que “este plano é um referencial estratégico, participativo e dinâmico e que prova o pioneirismo de Portugal na mudança para um mundo melhor”.  “Visa reforçar uma das principais metas da estratégia turística - a de afirmar o país como um dos destinos mais competitivos, seguros e sustentáveis do mundo” disse Rita Marques, acrescentando que a “recuperação do setor assente na sustentabilidade permitirá, não só a resiliência perante futuras crises, como o retomar da atividade turística sob o compromisso de fazer melhor e com maior segurança, dos pontos de vista económico, social e ambiental”.

Resultante de um trabalho conjunto envolvendo os parceiros do sector, este Plano abrange mais de 70 projetos e ações, que visam contribuir para a resposta do turismo à urgência dos desafios da sustentabilidade definidos à escala mundial, europeia e nacional e alinhados com os objetivos da Estratégia Turismo 2027 e da política de retoma do setor pós COVID-19.

De acordo com as orientações globais da Organização Mundial do Turismo, definidas pelo Comité Global de Crises de Turismo, a recuperação responsável do sector, após a pandemia COVID-19, permitirá que este retome a atividade ainda mais forte e mais sustentável.

Também a recente adesão do Turismo de Portugal ao Global Sustainable Tourism Council (GSTC) e ao Pacto Português para os Plásticos,além da participação ativa no World Travel & Tourism Council (WTTC) e na European Travel Comission (ETC), enquadram-se nos propósitos do Plano e refletem o compromisso de intervir e apoiar iniciativas que reforcem o papel do turismo na construção de um mundo melhor para todos.

Ainda no âmbito do Plano Turismo + Sustentável 20-23, o Turismo de Portugal celebrou um protocolo com o Fundo Ambiental para incrementar as competências dos profissionais do sector do turismo, alavancar iniciativas e dinâmicas já existentes, dar visibilidade a boas práticas e inspirar todos a fazer melhor, para alcançar melhores resultados em termos de receitas, da satisfação dos turistas e da preservação do nosso planeta. Para tal, está disponível um financiamento de 200 mil euros, financiável a 100% pelo Fundo Ambiental, e um prazo de realização até 31 de dezembro de 2020.

Em parceira com AHRESP, Universidade Nova de Lisboa, Federação Portuguesa de Golfe e Conselho Nacional da Indústria de Golfe e Travel without plastics, as ações abrangidas por este protocolo são:

- Reeducar para uma restauração circular e sustentável;

- As práticas da economia circular nos destinos turísticos do litoral;

- Neutralidade carbónica nos empreendimentos Turísticos

- Construção sustentável em empreendimentos turísticos;

- Eficiência hídrica nos campos de golfe em Portugal;

- Redução do plástico na hotelaria (turismo sem plástico)

O Plano Turismo + Sustentável, coordenado pelo Turismo de Portugal, exige o compromisso de uma estreita articulação entre toda a comunidade relacionada com o turismo, integrando, nos trabalhos a concretizar, as estruturas regionais de turismo do continente e regiões autónomas, a Confederação do Turismo de Portugal (CTP), as associações empresariais do setor, em colaboração, ainda, com as restantes tutelas, entidades públicas regionais e locais cuja atuação também se relacione, direta ou indiretamente, com a atividade turística.

RIU Hotels & Resorts

#EstamosON

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade