Algarve poderá perder 25 mil turistas, com a falência da Germania

A falência da companhia aérea alemã Germania pode afetar o tráfego de 25 mil passageiros para o Algarve, uma quebra de 5% no número total de passageiros oriundos da Alemanha, segundo estimativas da Associação de Turismo do Algarve (ATA).

Segundo o presidente da ATA, João Fernandes, a falência da companhia low cost implica a perda de quatro rotas entre Faro e as cidades de Erfurt, Münster/Osnabrück, Dresden e Nuremberg, traduzindo-se "numa eventual diminuição de aproximadamente 5% face ao número total de passageiros que chegam ao Algarve" provenientes deste mercado.

João Fernandes referiu, em comunicado, também que "infelizmente, esta é mais uma notícia que não queríamos ter recebido, especialmente tendo em conta que a Alemanha é um dos principais mercados tradicionais do Algarve".

Para fazer face à situação, a ATA, responsável pela promoção do Algarve no estrangeiro, irá, em conjunto com o Turismo de Portugal e o Aeroporto de Faro, "procurar reforçar as negociações com outras companhias aéreas, dando-lhes a conhecer o potencial que as rotas até agora operadas pela Germania representam”.

Paralelamente, “será intensificado o esforço tendo em vista a realização de campanhas de ‘marketing’ conjuntas com companhias e operadores turísticos, no sentido de incrementar as vendas do destino junto do mercado alemão, tido como prioritário”, lê-se no comunicado enviado às redacções.

Mas o presidente da Associação afirmou que a região “está preparada” para lidar com estas situações e tem “as ferramentas necessárias para minimizar” o impacto da falência da Germania.

O dirigente acrescentou também que “tal como aconteceu recentemente com as falências de companhias como a Monarch, a Air Berlin ou a Niki, acreditamos que a região será capaz de dar a volta por cima e de colmatar as rotas e frequências perdidas”.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade