Escolas do Turismo de Portugal isentam propinas no ano 2019/2020

Escolas do Turismo de Portugal isentam propinas no ano 2019/2020
Divulgação

As Escolas do Turismo de Portugal vão abolir, já no próximo ano lectivo 2019/2020, as propinas para os estudantes que frequentam cursos de nível IV, que corresponde aos alunos que estão a cumprir a escolaridade obrigatória.

O Turismo de Portugal explicou, em comunicado que "sendo uma das instituições públicas com missão de formar recursos para o sector do turismo, e procurando garantir os princípios constitucionais da igualdade de oportunidades e do acesso de todos os estudantes à educação gratuita", decidiu optar pela "eliminação das propinas de frequência para os cursos de dupla certificação de nível IV".

Outra das novidades para o próximo ano lectivo é a redução de "50% do custo das inscrições e matrículas, tanto para o nível IV como para o nível V, criando condições para o reforço da atractividade dos cursos e consequentemente para o reforço da captação de talento para o sector".

O Turismo de Portugal aposta ainda "na diferenciação positiva das escolas situadas nos territórios de baixa densidade, nomeadamente em Lamego, Portalegre e Vila Real de Santo António, através do financiamento de 50% das propinas dos Alunos dos Cursos de nível V". Embora O Turismo.PT tenha tentado ao longo de todo o dia, junto do Turismo de Portugal e da sua Agência de Comunicação saber as regras do finaciamento, não obtivemos nenhuma resposta.

Com a finalidade de responder "activamente às necessidades expressas por alunos, profissionais e empresários, as escolas do Turismo de Portugal vão reforçar a oferta formativa, abrindo mais turmas e mais vagas para admissão de novos alunos no nível IV". Ou seja as turmas e vagas para alunos dos cursos profissionais "vai crescer cerca de 15%, procurando responder à necessidade de ter mais jovens a estudar nas áreas de Cozinha/Pastelaria, Restaurante/ Bar e Alojamento Hoteleiro".  Por sua vez nos cursos de nível V "vai existir um novo CET - Curso de Especialização Tecnológica em Turismo da Natureza e Aventura, que virá substituir o antigo (Turismo de Ar Livre)".

Além destas novidades, as Escolas do Turismo de Portugal vão "reforçar a ligação ao sector empresarial regional, afirmando a sua missão de suporte à inovação no sector, à promoção da diversidade regional, da valorização dos produtos endógenos e da articulação aos produtos e serviços turísticos".

A rede das 12 Escolas do Turismo de Portugal implementa um programa formativo - Tourism Training Talent - "focado nas componentes da comunicação, da gestão e das vendas, com uma atenção especial à inovação e ao conhecimento nos domínios do marketing e do digital". Por consequência "o programa pedagógico integra áreas de desenvolvimento pessoal (aulas de teatro, voz e movimento), de comunicação e storytelling, de gestão (comercial e vendas) e de inovação e empreendedorismo". Já nas áreas técnicas, a aposta é em novos métodos e produtos, "com ênfase na área digital, com a introdução de softwares de ensino como é o caso da gamificação, ligada à gestão e ao planeamento".

Recordamos que esta é a única rede escolar que, em Portugal, tem cursos especializados e ministrados totalmente em língua inglesa e, complementarmente, desenvolve projectos de estágios internacionais financiados a 100% e programas de intercâmbio, assegurando desse modo a captação de alunos estrangeiros.

Os alunos formados nestas Escolas "têm uma taxa de empregabilidade de 94%", de acordo com o mais recente Estudo de Inserção Profissional, relativo a 2018.

O Turismo de Portugal refere no comunicado que "a maioria dos inquiridos (87%) encontra-se a trabalhar nas áreas da Hotelaria e Restauração, tendo 70,7% conseguido colocação no mercado de trabalho em menos de um mês e, 91,7% em menos de três meses".

Para a Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho “a formação de Recursos Humanos no Turismo é fundamental e é uma prioridade do Governo. Por isso, este ano reforçámos o número de vagas nas Escolas do Turismo de Portugal e criámos novos cursos para responder à procura. Como grande novidade, vamos eliminar as propinas para os alunos que estejam a cumprir a escolaridade obrigatória e reduzir em 50% as propinas nas Escolas do Turismo no interior para os alunos do nível V”.

O presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo afirmou que as escolas do Turismo de Portugal "contribuem de forma decisiva para a competitividade e qualidade do serviço prestado pelas empresas e agentes do sector". Salientando que o próximo ano lectivo será de aposta na melhoria da qualidade da formação e dos formadores, "com investimentos em infraestruturas e equipamentos que garantam a modernização das instalações e a melhoria das condições de ensino, adaptando-as às exigências das tendências actuais e futuras". O dirigente reforçou que "será um ano de expressivo investimento na qualificação das equipas, com especial destaque para a formação de formadores e professores, através de projectos de internacionalização que permitam integrar as melhores práticas internacionais na formação desenvolvida". O objectivo é inverter a actual pirâmide de formação: "queremos que 60% dos recursos humanos do sector seja qualificado com ensino secundário ou técnico profissional”, concluiu Luís Araújo.

Fim do Ano

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade