AHP revela dados sobre a evolução da ocupação hoteleira no país no mês de Maio

De acordo com o AHP Tourism Monitors, ferramenta exclusiva de recolha de dados da Hotelaria nacional trabalhados mensalmente pela AHP - Associação da Hotelaria de Portugal, o mês de Maio de 2018 registou um “crescimento a dois dígitos no ARR (11%) e no RevPAR (10%), com a taxa de ocupação a registar um decréscimo de 0,6 p.p..”

 

Nos primeiros cinco meses do ano, a taxa de ocupação quarto a nível nacional atingiu os 79%.

Falando de destinos turísticos, Lisboa (89%), Porto (88%), Madeira (84%) registaram as taxas de ocupação mais elevadas. As categorias quatro e três estrelas registaram uma quebra ligeira de 1,8 p.p. e de 0,3 p.p..

O ARR fixou-se nos 97 euros, mais 10% do que em igual período do ano passado.

Lisboa foi o destino que registou melhor número (136€), seguido do Grande Porto (101€) e de Estoril/Sintra (95€). De destacar o crescimento de 19% e 14% nas três e quatro estrelas, respectivamente.

O RevPAR foi de 76 euros, com um aumento de 9%, com a Costa Azul (41%), Alentejo (33%) e Lisboa (17%) a registarem o maior crescimento em termos de variação.

A estada média registou uma quebra de 2%, fixando-se nos 1,90 dias.
Essa quebra apenas não se verificou nas três estrelas, onde cresceu 3%.

Cristina Siza Vieira, presidente executiva da Associação da Hotelaria de Portugal, afirma “Este é um ano de consolidação na hotelaria, tivemos três anos de crescimento acelerado e agora estamos a assistir a uma estabilização da taxa de ocupação e a um crescimento sustentado do preço médio por quarto ocupado e do RevPAR.
Naturalmente que nos traz alguma preocupação os destinos que estão em queda na Taxa de ocupação desde o início do ano, uns porque tiveram um 2017 muito forte, como é o caso de Leiria/Fátima/Templários com a vinda do Papa; outros, como a Madeira e o Algarve, porque, como temos vindo a afirmar, se têm ressentido com a quebra de mercados como o inglês e o alemão, com as rotas que não foram repostas após a falência de companhias aéreas que ali operavam e a concorrência de outros destinos; e os Açores que, por um lado, teve uma grande procura no seguimento da abertura do espaço aéreo a companhias low cost e agora estão a ressentir-se da falência de algumas companhias aéreas e, por outro, porque houve um aumento significativo da oferta de Alojamento Local na região. Ainda assim as expectativas para o verão são muito positivas.”


Relativamente aos destinos turísticos avaliados conclui-se que no Minho em Maio de 2018, a taxa de ocupação quarto foi de 63%, revelando uma subida de 1,2 p.p. face ao período homólogo.
Os preços médios por quarto ocupado registam um crescimento de 2%, face a Maio de 2017, e o RevPAR fixou-se nos 37 euros.


Durante o mês de Maio de 2018, o preço médio por quarto ocupado no destino Grande Porto apresentou, face ao período homólogo, uma variação positiva de 10% no RevPar e o ARR fixou-se nos 101 euros.

A taxa de ocupação quarto foi de 88%, menos 0,5 p.p. do que em maio de 2017.


No mês de Maio de 2018, no destino turístico Beiras o ARR fixou-se nos 60 euros e o RevPAR cresceu 13% face ao período homólogo.

A taxa de ocupação quarto atingiu os 57%, mais 1,5 p.p. do que em maio de 2017.


Por outro lado as unidades hoteleiras de Coimbra apresentaram, no mês de Maio de 2018, uma taxa de ocupação quarto de 78%, o que representa uma quebra homóloga de 2,4 p.p. Destaque ainda para o preço médio por quarto ocupado de 62 euros e para a quebra de 3% no RevPAR.

Neste destino, TO e RevPAR registaram uma quebra nos meses de abril e maio.


Em Viseu no mês de Maio de 2018, a amostra não foi suficiente neste destino turístico.

Em Maio de 2018, a taxa de ocupação no Oeste foi no quarto de 61%, evidenciando uma subida de 3,6 p.p. face a maio de 2017. No mesmo período o ARR - Preço médio por quarto ocupado fixou-se nos 70 euros, enquanto o RevPar cresceu 9% face a maio do ano anterior.


Em Leiria/ Fátima/ Templários o mês de Maio de 2018, registou uma quebra da taxa de ocupação quarto em 7,8 p.p., face ao período homólogo, atingindo os 56%. O ARR - Preço médio por quarto ocupado foi de 60 euros e o RevPar desceu 19%. 

A taxa de ocupação tem estado “no vermelho” desde o início do ano.


Durante o mês de Maio de 2018, a hotelaria do destino Estoril/Sintra apresenta variações negativas de 3,3 p.p. na taxa de ocupação quarto, fixada em 79,1%, e positivas no RevPar, que atingiu os 75 euros, no ARR - Preço médio por quarto ocupado que cresceu 12%, face ao período homólogo.


No mês de Maio de 2018, o destino turístico Lisboa registou uma taxa de ocupação quarto de 89%, revelando uma subida de 0,1 p.p. face a maio de 2017.

O RevPar cresceu 17%, face ao período homólogo. Enquanto o ARR - Preço médio por quarto ocupado se fixou nos 136 euros.


As unidades hoteleiras do destino Costa Azul apresentaram, no mês de Maio, um ARR - Preço médio por quarto ocupado de 71 euros.

A taxa de ocupação quarto foi de 78% mais 9,6 p.p. e o RevPar obteve um aumento de 41%.


Os hotéis do destino Alentejo apresentaram no mês de Maio uma taxa de ocupação quarto de 72%, mais 10,7 p.p., e um RevPar de 51 euros.

O ARR - Preço médio por quarto ocupado evidenciou uma subida de 13%, face ao período homólogo anterior.


Em Maio de 2018, a taxa de ocupação quarto no Algarve foi de 71%, menos 1,3 p.p. face ao mês homólogo de 2017.

A taxa de ocupação está em quebra desde Março deste ano.

A taxa de ocupação quarto, quando comparada por zonas, foi superior no Algarve Centro (72%), face ao Algarve Sotavento (70%) e ao Algarve Barlavento (70%).

O ARR - Preço médio por quarto ocupado foi, em Maio de 2018, de 85 euros e o RevPar cresceu 5,6%.


Em Maio de 2018, o destino turístico Madeira apresentou uma taxa de ocupação quarto de 84%, menos 2,7 p.p., face a maio de 2017. O preço médio por quarto ocupado fixou-se nos 74 euros e o RevPar evidenciou um crescimento 2%.

A taxa de ocupação, neste destino, tem vindo a cair desde Março deste ano.


A Hotelaria dos Açores registou, em Maio de 2018, uma taxa de ocupação quarto de 68%, menos 5,3 p.p. do que no período homólogo anterior. O ARR - Preço médio por quarto ocupado foi de 60 euros e o RevPAR caiu 10% face ao mesmo mês do ano anterior.

No destino Açores, a registar a queda da taxa de ocupação desde o início do ano, no entanto o ARR tem continuado a crescer.

 

Num inquérito realizado junto dos hoteleiros da Região de Lisboa verificou-se que nos dias do Eurofestival da Canção (08 a 12 de Maio) a taxa de ocupação foi de 93% na cidade de Lisboa e de 91% na área metropolitana de Lisboa. Quando analisamos o preço médio por quarto ocupado, na cidade de Lisboa fixou-se nos 173 euros e na A.M. Lisboa em 154 euros.


Glossário
ARR: Preço médio por quarto ocupado

RevPAR: Preço médio por quarto disponível

TO: Taxa de ocupação quarto

 

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade