FITUR Investour discute a “marca África” e a biodiversidade

FITUR Investour discute a “marca África” e a biodiversidade
Turisver

Cerca de 30 ministros de Turismo procedentes de diversos países africanos juntaram-se na Investour a fim de debater e de trocar experiencias sobre o desenvolvimento do sector no continente.



O Foro de Negocios e de Investimentos em África que alcançou um carácter único foi co-organizado pela Organização Mundial do Turismo (OMT), Casa África y FITUR.

Duas mesas redondas e um encontro Business-to-Business (B2B) integraram esta edição de Investour que que teve lugar na Fitur, a Feira  Internacional de Madrid.

A primeira sessão, moderada por Thebe Ikalafeng, Director da BrandAfrica, analisou estrategias de promoção com o objectivo de posicionar o continente africano no mercado de viagens.

A chegada de turistas internacionais a  África cresceu cerca de oito por cento pelo segundo ano consecutivo, com 62 milhões de chegadas registadas em 2017. Estes resultados bem positivos mostram o potencial turístico de África, bem como a prioridade  do Turismo em África na agenda do desenvolvimento do continente”,acentuou o secretario geral da OMT, Zurab Pololikashvili.


“Investour consolidou-se como plataforma para a troca de ideias e projectos sobre o sector turístico em África. Começámos com um pequeno encontro, e nove anos mais tarde cerca de 30 ministros reuniram-se para posicionar o continente, uma temática que ocupará os debates de este ano”, explicou Luis Padrón, director general de Casa África. 


O segundo painel analisou o valor acrescentado da biodiversidade africana como um componente principal do  sector turístico no continente.

A flora e fauna, reservas y tesouros geográficos convertem África em algo único no que  respeita à sua oferta turística.

De facto e segundo dados da OMT, o turismo vinculado à vida selvagem representa 80% do total de chegadas de turistas ao continente.

Por isto é prioritário continuar a avançar com medidas de conservação e protecção, comprometendo agentes importantes na causa como governos, comunidades locais, sector privado e meios de comunicação.


Nesta segunda mesa redonda, foi apresentado o programa OMT/Chimelong sobre vida selvagem e turismo.
 
A iniciativa, implementada pela OMT e el Grupo Chimelong, sediado em Guandong (China), tem como objectivo contribuir para Objectivos de Desenvolvimento Sustentável em particular no que se refere  à vida selvagem.
A iniciativa inclui acções de captação, de incidências e intercambio de metodologías direccionadas para a  difusão do conhecimento incluindo agentes, como governos, sociedade civil e meios de comunicação.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade