2021, o ano com que nós sonhamos

2021, o ano com que nós sonhamos
Hugo Teixeira Francisco

O ano de 2021 está a chegar ao fim!

Se voltarmos atrás, para o mesmo período de 2020, já em plena pandemia, rapidamente nos lembramos do espírito optimistas com que encarávamos a chegada no ano novo, esperando que com a passagem do ano, o mesmo representa-se o fim da pandemia. A verdade é que isso aconteceu, em diferentes momentos do ano, em diferentes períodos, com levantamento de medidas de restrição e com o regresso das mesmas, mais ou menos restritivas.


A verdade é que 2021 não foi o ano com que nós sonhamos, mas no geral até podemos evidenciar alguns aspectos positivos. Não estou a tentar ser politicamente correto, nem incorrecto, e no que ao turismo diz respeito, até foi um ano com indicadores positivos, não comparáveis com 2019, claro, mas de retoma comparados com 2020. Já lá chegaremos.

Vejamos então os indicadores de normalização que me fazem crer na velocidade cruzeiro que atingimos em 2021 e que certamente irá continuar em 2022.


Para começar a analise daquele que é “medidor de tendências” mais relevante a nível mundial. Falo claro, da Google, que na sua habitual informação de ano novo informou que a principal pesquisa realizada pelos portugueses em 2021 foi “tempo para amanhã”, seguido de “euro 2020” e “Sporting CP”. Podemos com isto constatar que os temas verdadeiramente importantes regressaram ao quotidiano dos portugueses e as preocupações da pandemia, constantes nas pesquisas do ano passado, foram ultrapassadas por outros temos muito mais relevantes. É mesmo caso para dizer que a pandemia foi ultrapassada pela prioridade em manter os pés quentinhos.


Deixemos as trivialidades de parte e vamos observar alguns indicadores relevantes do turismo, em 2021.


O mercado nacional reagiu em força às restrições de viagens internacionais, incentivados pelo regresso das campanhas “vá para fora cá dentro” do Turismo de Portugal e das várias Entidades Regionais de Turismo. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE) os números dos turistas nacionais superaram mesmo os valores de 2019 e o Banco de Portugal (BdP) indica que o primeiro semestre fechou com uma receita de 3.351 milhões de euros, um valor que correspondeu a cerca 36% da meta definida pelo Governo para o total do ano.


Também o número de turistas, entre Janeiro e Julho deste ano, se ficou nos 5,22 milhões, valores mais elevados do que os números do ano anterior, sendo que se evidenciam os 3,7 milhões de turistas nacionais, correspondendo a 70% do total de turistas. Isto significa, em termos de evoluções, que o número de turistas residentes aumentou 19% face ao mesmo período do ano passado, superando até os números de 2019, enquanto o número de estrangeiros caiu 32%.


Se o mercado nacional fez a sua parte para ajudar a indústria do turismo em 2021, também o nosso principal mercado emissor de turistas estrangeiro, Espanha, não se ficou atrás. Nuestros hermanos foram os estrangeiros que mais procuraram Portugal, muito devido ao acordo ibérico que permitiu circular livremente dentro da península ibérica e que de acordo com o INE, correspondeu a 324.218 espanhóis hospedados em unidade de alojamento nacionais.


Até Julho, o turismo já tinha obtido 757,5 milhões de euros em proveitos, mais 21% do que no mesmo período do ano passado (693,5 milhões de euros), sendo que a estada média se manteve inalterada do ano passado para este ano, ficando nas 2.43 noites, um pouco abaixo das 2,58 noites de 2019.


O balanço do ano de 2021, com todos os desafios que foram sendo enfrentados e não sendo matéria para fantasiar, foi provavelmente melhor do que muitos estariam à espera.


De realçar também uma constante em todos este processo, a resiliência com que os agentes do turismo tem enfrentado todos os desafios.


Penso que já ninguém irá desejar, enquanto engole 12 passas, empurradas por uma flûte de espumante, o fim da pandemia. Esse “estado de espírito” é coisa do passado. Neste momento o nosso desejo será mesmo melhorar em relação a 2021 e que 2022, seja pelo menos, como foi 2021.


Resta-me desejar-lhe boas festas e marcar encontro consigo, aqui no O Turismo.PT em 2022.

RIU Hotels & Resorts

#EstamosON

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade