Regresso ao futuro

Regresso ao futuro
Hugo Teixeira Francisco

Este artigo de opinião celebra a importante marca do 10º aqui no O Turismo.PT.

Neste momento de efeméride, se assim o podemos chamar, volto a recorrer à cultura cinematográfica de Hollywood para ilustrar um dos meus artigos.
Faço-o no momento em que leio o relatório trimestral do European Travel Council (ETC), presidido por Luís Araújo, que acumula o cargo com a presidência do Turismo de Portugal.

De fato a vontade que tenho é de entrar no meu Delorean, do segundo filme claro, já movido a desperdício alimentar, e Regressar ao Futuro, mais propriamente a 2024, de forma a poder apreciar a “normalização” dos fluxos turísticos ao nível de 2019. Já aqui o referi os tempos sem precedentes em que vivemos, com a lenta retoma económica nacional, com a recente crise política nacional, com os números sempre irregulares de novos casos de Covid-19 na Europa e no Mundo, conjuntamente com a incerteza das tendências emergentes a procura. De facto dá vontade de fazer “fast forward” de forma a “regressar” a tempos mais simples.

Continuando a avaliar o relatório da ETC percebemos que houve uma retoma significa de alguns mercados europeus, com especial destaque para Portugal, Malta e Islândia, resultado dos elevados níveis de vacinação, superiores a 80% e permitindo transmitir confiança para os mercados externos. Percebemos também a insuficiência destas estratégias, na medida em que estes números não estão em consonância com muitos países europeus e de mundo, quase tornando este esforço inglório e transformando estes países em “ilhas sanitárias”.

Este relatório constata também a ausência de viajantes de longa distância, com as chegadas dos EUA à Europa a permanecerem 90% abaixo dos níveis de 2019. Importantes mercados, como o mercado chinês, também fazem sentir a sua falta em todo o território europeu, com todos os destinos a registar quedas de mais de 90% em comparação com 2019.

Na globalidade, as chegadas de turistas internacionais à Europa deverão ficar 60% abaixo de 2019, no final deste ano, com muitos outros factores a pesar na recuperação do turismo na Europa.

Avançamos agora para o momento mais sensível para a indústria turística, o inverno, onde adicionalmente à normal sazonalidade, iremos também sentir um abrandamento de viagens e a chegada da temporada da gripe irá certamente incutir cautela aos viajantes.

Acabo este artigo como o comecei, recorrendo a outra imagem cinematográfica, desta feita da série da HBO Game of Thrones, porque de fato o “Inverno Está a Chegar”.

RIU Hotels & Resorts

#EstamosON

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade