×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 828

Tom Mash é o terceiro e último finalista do Hard Rock Rising

Já estão apurados os três nomes para a final do Hard Rock Rising. Tom Mash é o artista que se junta aos Modern Light e aos The Bourbons para a final do concurso que vai levar o vencedor a actuar no Optimus Alive.

O desfecho da terceira semi-final do Hard Rock Rising Portugal foi diferente do que se podia esperar. Em vez das bandas com um estilo de música mais comercial, isto é, um estilo mais semelhante a todas as outras que passaram pelo concurso, o vencedor foi Tom Mash, um artista que actuou a solo acompanhado apenas pela guitarra e pelo apoio do público, com um registo musical muito diferente daquilo que passou pelo palco do Hard Rock Café Lisboa nas últimas três semanas.


Os Trash Candies foram o primeiro grupo a actuar e logo no início do concerto deixaram uma mensagem muito forte que pode ser interpretada como uma crítica, ao dedicarem o curto concerto "a todas as bandas que tocam em português e que tentam fazer originais em português".


É verdade que os Trash Candies foram o único grupo a cantar na língua portuguesa nesta semi-final mas confessaram que o trabalho que fazem é influenciado por bandas como os Guns N' Roses e os Alice in Chains. Ainda assim, foram capazes de montar um espectáculo que puxou pelas palmas do público e que acabou mesmo com uma música a homenagear João Ribas, o vocalista dos Tara Perdida que faleceu há pouco tempo.


Logo a seguir, foi vez dos Reckless Society mostrarem o que valem e começaram mesmo por anunciar que o carro que está agarrado ao tecto do Hard Rock Café Lisboa ia "ao chão". Se dependesse da vontade e da dedicação do público, o carro tinha mesmo caído, ou não fossem o grupo que levou a maior legião de fãs para os apoiar no concurso.


Mesmo antes de o concerto começar, gritou-se várias vezes "Reckless! Reckless!" entre o público, com alguns pais na fila da frente a torcer para que o espectáculo corresse bem aos filhos. E poder-se-ia dizer que o concerto correu muito bem, mas pode ter sido a falta de presença em palco por parte do vocalista que deixou escapar a vitória para o tereceiro concorrente da noite. As músicas com que se apresentaram a concurso tinham inspirações claras em Green Day e algumas semelhanças com The Who em alguns momentos. Não venceram o concurso, mas isso não os impediu de fazer a festa assim que desceram do palco, apoiados pelos fãs que trouxeram desde Sintra, com o guitarrista a gritar emocionado "Eu toquei no Hard Rock!".


Por último, e curiosamente tal como em todas as semi-finais, foi vez do vencedor actuar. Tom Mash apresentou-se com um estilo de música muito mais calmo mas com a voz mais forte e evoluída da noite. O ambiente durante as três músicas foi muito mais sereno, com temas muito mais pessoais e com um estilo mais próximo de Ben Howard do que das grandes bandas de rock. por vezes, as letras e a forma como cantava fazia lembrar-nos dos tempos áureos de James Blunt, ainda com que muita originalidade.


A vitória de Tom Mash pode ter sido uma surpresa mas pode também ter sido óbvia: afinal de contas, foi o artista que se diferenciou e que se conseguiu destacar por um estilo mais pessoal. Esta semana, a decisão esteve nas mãos de João Pedro Pais, João Pedro Viana (Everything is New), Ana Isabel Arroja (Rádio Comercial) e Nero (revista Arte Sonora). Resta esperar pela próxima semana para assistirmos à final, no dia 10 de Abril, entre os Modern Lights, os The Bourbons e Tom Mash e saber quem irá actuar no Optimus Alive.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade