Mafalda Veiga cantou perante multidão à chuva no Rossio

Numa iniciativa que visava celebrar o Carnaval em Lisboa, a EGEAC convidou Mafalda Veiga para um concerto no Rossio que atraiu algumas centenas de pessoas apesar das más condições climatéricas.

 

Mafalda Veiga aqueceu o final de tarde a todos aqueles que se deslocaram ao Rossio para a ver actuar, apesar das más condições climatéricas.

"Vocês são os maiores. Obrigado por estarem aqui com este tempo" disse a artista antes mesmo de iniciar o concerto com o tema "Largar mais".

Depois de interpretar "Faz parte", "filme" e "Ilha" e feliz com a adesão de público e com a participação do mesmo no concerto vislumbrou "a coisa mais ternurenta que  é um filhote vestido de tigre numa tarde de carnaval na primeira fila".

Enquanto trauteava temas que fazem parte da sua carreira, revelou que "esta é uma música nova só com guitarra e piano". O tema intitula-se "Não me dês razão".

Apesar da chuva que persistia, havia também cada vez mais público que a cada tema aplaudia a artista que ia interpretando temas como "Cúmplices", "Lume", "Só tu sabes" ou um dos seus grandes sucessos, "Estrada".

A cantora surpreendeu ao cantar em espanhol um tema de um compositor cubano "que já oiço a algum tempo e que cantava em casa mas que decidi trazer também para o palco" intitulado "Unicórnio".

Outro dos seus grandes sucessos "Imortais" foi também interpretado antes de chamar a palco Ana Bacalhau dos Deolinda para interpretarem "Because the night".

"Fim do dia" foi o tema que interpretou antes do encore em que os aplausos do público foram fortes e os pedidos para mais tema bastante sonoros. Mafalda Veiga voltou ao palco para mais três temas entre os quais "Cada lugar teu" interpretado em uníssono.

A artista saiu de palco sob fortes aplausos e com o público muito satisfeito com o concerto sendo que alguns dos espectadores revelaram ao Jornal Hardmusica que "devia haver mais iniciativas destas".

No final do concerto e em entrevista ao Jornal Hardmusica Mafalda Veiga revelou que "o convite surgiu numa altura em que ainda pensávamos que ia estar um dia de sol mas eu estou extremamente agradecida ao publico que aguentou até ao fim apesar de estar um tempo agreste".

Ana Bacalhau começou por indicar que "foi uma honra puder partilhar palco com a Mafalda de quem eu gosto muito" antes de ambas revelarem que acompanham a carreira uma da outra e que apreciam bastante o trabalho de cada uma.

Mafalda Veiga revelou que de momento "estou a fazer espectáculos por auditórios que é totalmente diferente deste desde o alinhamento aos instrumentos. Estou também a compor para gravar embora esteja a demorar mais do que gostaria mas haverá de sair".

Ana Bacalhau falou também um pouco acerca de "Quinze" um espectáculo a solo "onde as pessoas podem ver uma Ana diferente, num outro registo" sendo que quem for a estes espectáculos pode esperar "rock e temas de compositores que fizeram parte da minha vida, não estão lá todas mas se calhar algumas que dizem coisas do meu mundo".

As artistas revelaram também alguma tristeza e desagrado com o actual estado da cultura onde entre outras desabafos referiram "que a cultura já nem Ministério tem, tem supostamente uma secretaria" e que infelizmente no "nosso país as pessoas deixaram-no de o ser para serem números".

Terminaram indicando que "a cultura é a nossa identidade e que não merece ser desprezada".

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade