Duarte, uma forma diferente de sentir o Fado, canta no CCB

Duarte vai estar na noite de 28 de Fevereiro no pequeno auditório do Centro Cultural de Belém para um concerto onde interpretará temas já conhecidos e outros que serão novidade.

 

A sua incursão pelo mundo da música começou aos sete anos. E não mais parou. Em 2004 lançou o seu primeiro CD, "Fados Meus", inspirado em fados tradicionais. Desde então que constrói uma carreira sólida e significativa, numa altura em que o fado cada vez mais se reinventa, e em cada vez mais lugares.


Em 2006 recebeu o galardão de "Fadista Masculino Revelação" pela Fundação Amália Rodrigues, homenagem que veio confirmar a sua presença neste modo de estar e de cantar a música.

Como muitos dos seus contemporâneos, leva o fado além-fronteiras: de Espanha à Grécia, Duarte já actuou um pouco por toda a Europa, em festivais e não só.


Para Duarte, "o fado é das mais bonitas formas de arte, mas os fadistas não são nem podem ser ilhas. Recebem informação e experiência de todos os lados." (Correio da Manhã, 01 de Outubro de 2006).

Desta forma, o jovem cantor assume como referências não só os fadistas Carlos do Carmo, Camané e Amália, mas também artistas ligados a outras formas de música portuguesa como Jorge Palma ou Sérgio Godinho.


Neste concerto único, Duarte viaja por sons (re)conhecidos, dos seus anteriores álbuns, assim como por poemas inéditos, do seu mais recente trabalho, que será lançado em breve.

Duarte acompanhar-se-á à viola num ou dois temas, e será acompanhado por Paulo Parreira, na guitarra portuguesa, José Elmiro, na viola, e Daniel Pinto, no baixo.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade