INE confirma: Alojamento e Restauração continuam a perder postos de trabalho

INE confirma: Alojamento e Restauração continuam a perder postos de trabalho
Dinheiro Vivo

A situação actual registada nestes sectores opõe-se ao panorama geral vivido no resto do país.

Segundo a mais recente publicação do INE (Instituto Nacional de Estatística) sobre as estatísticas do emprego no 3.º trimestre de 2021, os setores do Alojamento, Restauração e Similares registaram um decréscimo de 35,7 mil trabalhadores face ao trimestre homólogo de 2020.

Estes valores correspondem a uma variação de -12,5%, a segunda maior quebra registada entre todos os sectores de actividade e que contraria a tendência geral de crescimento da população empregada observada a nível nacional.

No caso específico da Restauração e Similares, o cenário é mais alarmante, pois não só foi registada uma quebra de 13,1% face ao 3.º trimestre de 2020, como também foram perdidos 12,6 mil postos de trabalho entre o 2.º e o 3.º trimestres de 2021, uma situação sem precedentes nos últimos anos, uma vez que, devido à natureza sazonal destas actividades, é comum assistirmos ao aumento da população empregada no nosso sector durante os meses de verão.

A AHRESP (Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal) tem alertado de forma constante para a perda galopante de postos de trabalho no sector do Alojamento, Restauração e Similares e para as dificuldades que as nossas empresas têm sentido nos processos de recrutamento de profissionais.

Segundo o sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte “o problema do sector são os salários baixos, as más condições de trabalho, os horários de trabalho infindáveis, o não pagamento dos feriados, os ritmos de trabalho, o trabalho ilegal e clandestino, o fumo do tabaco durante todo o período do trabalho.”

É, por isso, essencial que sejam criadas políticas de incentivo à contratação de profissionais na área do turismo com a máxima urgência possível, para que a escassez de recursos humanos não constitua um travão à recuperação económica das nossas actividades, nem ponha em causa a competitividade do turismo português, uma das principais fontes de receita para o nosso país.

RIU Hotels & Resorts

#EstamosON

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade