Será que o Hotel Turismo da Guarda vai mesmo ser reabilitado?

Será que o Hotel Turismo da Guarda vai mesmo ser reabilitado?
O Turismo . PT

O grupo MRG foi o vencedor do concurso pela concessão e recuperação do Hotel de Turismo da Guarda, no âmbito de um concurso do Programa REVIVE, encontra-se com dificuldades financeiras.

A M.R.G Construction S.A., uma das empresas do Grupo Manuel Rodrigues Gouveia, a quem o Governo concessionou a revitalização do hotel, entregou no Tribunal de Seia um Processo Especial de Revitalização, por se encontrar com dificuldades financeiras.

No passado dia 03 de Julho, o referido Tribunal, conforme noticiou o Jornal de Notícias, proferiu o despacho de nomeação de Jorge Calvete, com escritório em Leiria, como administrador judicial provisório da empresa. De acordo com a mesma decisão, o administrador judicial em causa, que também lidera o processo de insolvência dos bens do GES na Beira Baixa, tem desde aquela data "direito de acesso à sede e demais instalações empresariais" e de "proceder a quaisquer inspecções e exames, designadamente dos elementos da contabilidade", refere o documento a que o diário teve a acesso. O despacho determina também que "os credores dispõem de 20 dias, contados desde a publicação do despacho no portal Citius, para reclamar créditos, devendo as reclamações serem remetidas ao administrador judicial nomeado".

A 'mãe do Programa Revive', Ana Mendes Godinho, a Secretária de Estado do Turismo, como foi apelidada na inauguração do Vila Galé Collection Elvas, pelo seu Administrador, foi  que conduziu todo o processo em estreita colaboração com o então presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro. Segundo o JN, Ana Mendes Godinho, enviou a seguinte nota à redacção: "Estamos a acompanhar o processo é o projecto do hotel turismo da Guarda vai continuar. Estaremos sempre a acompanhar para garantir a boa conclusão do projecto".

Perante tal facto, o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, frisou, esta quinta-feira, ao jornal Terras da Beira, em Almeida, que “vamos continuar a assegurar que a concretização deste projecto ocorre em qualquer caso” e que “o Governo, as instituições públicas dispõem de todas as ferramentas para assegurar a concretização desse objectivo”.
O governante referiu também que a unidade está a ser remodelada no prazo previsto. “Como sabem, existe sempre uma fase de execução de projecto de revitalização. Não pode haver obra antes do projecto ser executado e antes de ele ser licenciado e, portanto, neste contexto, os calendários estão a ser respeitados”.

Em representação da empresa em causa, Rodolfo Gouveia confirmou ao JN que podem estar em causa "cerca de 10 milhões de euros de créditos bancários e não bancários". Contudo, sendo a MGR Construction S.A. uma das empresas incumbidas de revitalizar o Hotel Turismo da Guarda, o representante do Grupo Empresarial garantiu que "esse projecto é autónomo e não será afectado". sobre as obras no terreno, referiu que "ainda não sabemos porque temos andado a fazer estudos de mercado".

A concessão é feita por 50 anos, no âmbito do programa Revive, e estima-se que o investimento total para a recuperação do edificado seja de cerca de sete milhões de euros. O consórcio compromete-se a construir uma unidade hoteleira neste imóvel que ocupe no mínimo 55% da área bruta de construção. Está prevista uma unidade boutique hotel, de quatro estrelas, ligada ao tema da neve, com 50 quartos e com outras valências como spa e restaurante.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade