Festival da Canção 2020 com uma qualidade muito fraca

Festival da Canção 2020 com uma qualidade muito fraca
Divulgação

A primeira semifinal do Festival da Canção 2020 permitiu mostrar a fraca qualidade da escolha dos compositores, por parte da RTP.

 

Depois do grande sucesso, com o Salvador Sobral, do Eurovisão 2017, a qualidade das músicas veio a decrescer.

Nesta eliminatória foi possível escutar alguns temas razoáveis, mas que as orelhas dos portugueses e dos jurados não conseguiram levar para a final.

O compositor/autor e interprete Filipe Sambado, avaliado a letra e música sem a excentricidade da indumentária, foi uma boa escolha.

Bárbara Tinoco e Tiago Narcato, sem dúvida uma boa escolha para pisar o Coliseu em Elvas no próximo dia 07 de Março.

Por sua vez a fraquissima qualidade da madeirense Marta Carvalho, com o tema Elisa, foi um desastre total. No entanto também está na final.

Embora conhecidos de um nicho musical, os Throes + The Shine, não apresentaram um tema que seja considerado para um Festival da Canção, mas sim para um concerto.

Com uma boa composição e interpretação, juntamente com uma boa qualidade de bailarinos, o tema JJaZZ, de Rui Pregal da Cunha, ficou para trás.

Em conjunto com a Direcção de Programas, liderada pelo Director Adjunto Gonçalo Madaíl, vem o Consultor Criativo Nuno Galopim, na escolha dos compositores.

Este último, em conjunto com Henrique Amaro da Antena 3, foram os responsáveis pela remodelação do Festival em 2017.

Este ano os jornalistas não foram autorizados a ver o espectáculo no estúdio, tendo visto pela televisão numa sala à parte.

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade