No ART&TUR foi debatido que "os cinemas afectam o turismo"

A sessão de abertura, oficial, do ART&TUR contou com a presença de Pedro Machado, Carlos Bernardes e Francisco Dias.

 

O primeiro dia de concusro do ART&TUR começou ontem com a presença do Presidente da Turismo do Centro de Portugal, edil torriense e o director do festival.

O destaque deste dia, para além da exibição do filme "40th Anniversary of Madrid Pride", que já noticiamos anteriormente, a conferência internacional intitulada "O Cinema e o Turismo – dois universos que se cruzam nos mesmos territórios".

A conferência contou com a presença de Eugeni Osácar, da Escola de Turismo Hospitalidade e Gastronomia Catalã, que salientou: "todos os grandes destinos do mundo têm a parte turística em filmes ou e-books". O docente frisou que "o importante não é só os lugares que visitam, mas as experiências que têm".

O catedrático da Universidade Lusófona do Porto, Artur Araújo, afirmou que "os cinemas afectam o turismo" e os filmes "são  vistos como o mais confiável de informação". No entanto, para o professor de turismo, nem tudo é positivo, uma vez que "podem atrair muitas pessoas, tornando-se demasiado massificado". O docente deu como exemplo a série "Guerra dos Tronos".

Após o filme "A Praia", filmado em Maya Bay - Tailândia, com Leonardo di Caprio, "as entidades não conseguiram lidar com essa massa" turística e tiveram que a "encerrar, para limpar todos os resíduos deixados pelos turistas".

Por sua vez a série "Narcos", acabou por "levar muitos turistas ao país (Colômbia), por causa de Pablo Escobar". Cerca de 54 anos depois de ter sido exibido pela primeira vez no cinema, "Música no Coração", "continua a levar muitas pessoas a visitar Salzburgo" e o filme "Sissi", igualmente à Áustria, mas desta vez a Viena.

Para Artur Araújo é importante "analisar a sustentabilidade do destino, para não virmos a ter problemas no futuro".

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade