Festival Xjazz volta a alegrar as Aldeias de Xisto

A música de jazz ouve-se nas aldeias de Xisto de 20 de Julho e 15 de Setembro.


Quatro concertos e uma residência artística convidam músicos de renome nacional e internacional a inspirarem-se no espírito dos lugares, dando asas à criatividade.”, refere a nota de imprensa

William Parker, Hamid Drake, Luís Vicente, John Dikeman, Joana Espadinha, João Firmino, Maria Vilanueva, Vânia Couto, Yoshida Carvalho, Lucas de Centi e Luís Antero são os nomes que integram o cartaz deste ano. Para quem gosta de jazz as Aldeias do Xisto proporcionam o ambiente perfeito para estas melodias.


Desde 2012, a ADXTUR– Agência para o Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto e o JACC - Jazz ao Centro Clube, mais uma vez convidam artistas nacionais e estrangeiros  “para um período de imersão na realidade das aldeias, através de residências artísticas e concertos, cruzando identidade cultural, paisagens e as artes sonoras.”


Abrem-se as Aldeias ao Mundo com o seu espírito cosmopolita, uma das suas características fundamentais, o que se comprova com o concerto de abertura de temporada 2019 que junta os norte-americanos William Parker, Hamid Drake e John Dikeman (este último baseado em Amesterdão) e o trompetista português Luís Vicente.

A temporada que ora começa abraça “uma forte e assumida dimensão local, quer através do início das experimentações artísticas em torno do projecto Xisto Sonoro – Paisagens Sonoras das Aldeias do Xisto, do paisagista sonoro Luís Antero, quer pela residência artística de criação e gravação protagonizada por Vânia Couto e Maria Villanueva.”


Nesta oitava temporada os Encontros nas Aldeias do Xisto reafirmam a intenção de apresentar um “programa artístico verdadeiramente enraizado no contexto e cultura dos lugares, beneficiando do seu contexto social e ambiental para momentos únicos de criação, fruição e partilha.”

Deste modo não custa recordar que ao longo dos últimos anos as Aldeias do Xisto receberam perto de 40 concertos e seis residências artísticas.

No âmbito das residências artísticas foram editados três discos: “Guitolão”, de Carlos Barretto e António Eustáquio (gravado na Aldeia do Xisto da Cerdeira, Lousã), “Xisto” do quinteto com Marcelo dos Reis, Angélica Salvi, Nuno Torres, Miguel Carvalhais e João Pais Filipe (gravado na Aldeia do Xisto da Cerdeira, Lousã) e o disco homónimo dos Slow is Possible (gravado na Aldeia do Xisto de Fajão, Pampilhosa da Serra). Prestes a sair está o trabalho discográfico a solo (percussão e eletrónica) de Pedro Melo Alves, gravado em 2018, na Aldeia das Dez (Oliveira do Hospital).


O Xjazz continua, assim, a explorar a abertura deste território a contextos de criação e fruição artísticas, contribuindo para reforçar “os atributos e valores das Aldeias do Xisto enquanto marca acolhedora da experimentação, da inovação e ponto de interseção daquilo que une os homens a si mesmos, aos lugares, à arte e à natureza.”

RIU Hotels & Resorts

FITUR 2021

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade