ADHP: "é importante que o Governo dê sinais sobre a valorização dos recursos humanos nas empresas"

ADHP: "é importante que o Governo dê sinais sobre a valorização dos recursos humanos nas empresas"
O Turismo PT

O presidente da Associação dos Directores de Hotéis de Portugal (ADHP), considerou que "deveríamos evoluir para uma ordem dos directores de hotel, pela profissão e pela maneira que nos organizamos".

Raul Ribeiro Ferreira recordou que "vivemos tempos difíceis, tivemos que nos adaptar, tivemos que apostar em novas formas de trabalhar, e após o primeiro impacto, estivemos muitos de nós encerrados por falta de clientes". Reforçando que "os hotéis fecharam por falta de clientes" e não por qualquer outro motivo.

Os directores têm "liderando com suas equipas e conseguimos reabrir a maior parte dos hotéis, reinventando métodos de serviços, com a reorganização, com buffets assistidos, com pequenos almoços agendados, com mudanças para serviços a carta, com pacotes com mais noites para satisfazer os clientes, com mudanças na alteração de como tratamos com higiene". O presidente frisa que "nunca deixamos de limpar os hotéis, como muitos calculam,  provavelmente o que fazemos agora é que esta limpeza é mais visível , os produtos são diferentes, e com isto, conseguimos dar a confiança muitas vezes que os clientes precisavam".

O responsável alertou que "quando a crise começar a dar sinais de enfraquecimento, os problemas que tínhamos, vão voltar, vamos voltar: a ter falta de recursos humanos". Ou seja "vamos voltar a ter os jovens a irem para o estrangeiro a procura de empregos mais bem pagos, os com mais formação a sair do país. Temos que inverter o processo neste momento para tentar ficar com as pessoas em Portugal, ficar com a mão de obra mais qualificada", vincando que "é importante que o Governo dê sinais sobre a valorização dos recursos humanos nas empresas".

Raul Ribeiro Ferreira voltou a afirmar que os directores dos hotéis continuam descontentes "com a situação da profissão continuar sem a regulamentação, e continuamos com a ideia que deveríamos evoluir para uma ordem dos directores de hotel, pela profissão e pela maneira que nos organizamos, e que este será o caminho a médio prazo".

O dirigente alertou que "é importante perceber como os hospitais vão fazer hoje em dia, pois os turistas vão estar preocupados com os hospitais, sistemas de saúde e com todo o apoio da segurança sanitária".

Um dos temas mais falados nos últimos anos, foi também abordado neste Congresso, o futuro Aeroporto de Lisboa. O presidente, no seu discurso de encerramento e perante a secretária de Estado do Turismo, afirmou "não podemos mais atrasar o processo, temos que aproveitar esta baixa do turismo, há que implementar rapidamente, para que quando o mercado retomar já seja uma realidade".

Durante esses dois dias, os directores dos hotéis, tentaram enriquecer os seus conhecimentos, com novas informações, tecnologias, e medidas que vão apoiar a tomada de decisões. Cada vez mais, "a decisão toma-se baseada em números, em dados, em conhecimentos, e por isso é importante esta troca de conhecimentos", explicou o dirigente.

"Eu acho que é um sinal que o Governo quer dar de estímulo à economia", para "dizer que, no fundo, 'abre mão' de uma parte do dinheiro [do ] para estimular o consumo", disse o responsável à agência Lusa sobre o 'IVAucher'.

Raul Ribeiro Ferreira frisou tratar-se de "uma ajuda" e "tudo o que são ajudas é bom". "Se aquilo vai fazer uma grande diferença? O mercado português é sempre um mercado pequenino, por isso, agora é o possível. Acho que é com essa ideia, não é a de nós conseguirmos ficar todos ricos com aquilo, nem vai resolver a ocupação dos hotéis", argumentou.

Segundo o presidente da ADHP, medidas como esta do IVAucher' são "sinais importantes" que o Governo dá ao mercado: "A dizer que temos que consumir cá, não vão para fora. É muito importante pelo sinal, não pelo valor financeiro da medida".

A secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, que disse à Lusa, a propósito do 'IVAucher', estar "confiante de que os portugueses vão perceber o que está em causa e retirar daí os benefícios", um dos "dois grandes objectivos" do Governo a nível económico tem a ver "com a manutenção dos postos de trabalho". "Através deste programa de apoio à retoma, entendemos que grande parte destes postos de trabalho" no sector "podem estar garantidos", disse.

Já "a segunda prioridade", tem a ver "com instigar confiança, estimular o consumo" e, neste caso do 'IVAucher' ',estimular "o ressurgimento de turistas nacionais". "A medida enquadra-se nesta segunda prioridade, é uma medida de estímulo ao consumo", vincou.

Trata-se de uma das medidas inscritas pelo Governo no OE2021 com o de incentivar o consumo junto de três dos mais com a travagem da económica imposta pela de Covid -19, nomeadamente, a restauração, alojamento e cultura.

Com o ''IVAucher' os consumidores poderão acumular o valor correspondente à totalidade (100%) do suportado em gastos naqueles durante um trimestre, e 'desconta-lo', no trimestre seguinte, em consumos nesses mesmos .

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade