Vinhos Conceito apresentam o Douro na sua a pureza, e autenticidade

Com distribuição em Portugal pela OnWine Nacional as novas colheitas da Conceito acabam de chegar ao mercado


A Conceito Vinhos, empresa familiar liderada pela enóloga Rita Marques, acaba de apresentar as novas colheitas. Os Conceito Tinto 2015 e Conceito Branco 2016, já disponíveis por todo o país, “reforçam a consistência de qualidade da casa, que já conquistou uma comunidade de consumidores fiéis em todo o mundo.”

É na natureza que estes vinhos se começam a desenhar, “ouvindo-se sempre, em primeiro lugar, o que a vinha tem a dizer.”

O objectivo é criar vinhos autênticos e com alma, “que levem consigo a filosofia de um projecto vínico que se envolve com a comunidade local e que balanceia o experimentalismo com a tradição.”

O Conceito Tinto 2015, lançado todos os anos desde 2005, tem origem em vinhas muito velhas com uma vasta variedade de castas, onde se destacam a Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Amarela e Rufete.

Define-se como um “Douro clássico” “com grande poder de sedução, muita precisão na definição aromática e uma frescura natural fora do comum.”


Pronto a beber, melhora em garrafa com os anos, prevendo-se uma longevidade de pelo menos 15 anos. Acompanha na perfeição assados no forno e cortes nobres de carne. “A sua elevada qualidade, recordando uma vindima histórica para toda a região, valeu-lhe a atribuição de 95 pontos na escala de Robert Parker, consolidando a sua posição entre os vinhos portugueses.”


Já a nova colheita do Conceito Branco 2016 é feito “à base de uma mistura de 10 castas tradicionais, incluindo Rabigato, Códega de Larinho, Códega, Gouveio, Donzelinho Branco, Folgosão e Arinto, plantadas numa vinha muito velha, pré-filoxérica, num planalto granítico a 600 metros de altitude.”

Depois de 10 meses em barricas de carvalho francês, com bâtonnage regular, o resultado é um vinho rico e concentrado, mas com uma incrível subtileza e sedução.

Evolui em garrafa durante pelo menos 10 anos e é ideal para peixes e mariscos em confeção delicada. Obteve também “95 pontos na escala de Robert Parker e 92 na Wine Spectator, sendo o branco português com melhor classificação em ambas as publicações.”

O perfil clássico destes vinhos é combinado com uma imagem moderna e provocante, com o icónico círculo vazio rodeado de pormenores, que acabaria por se afirmar como o logotipo oficial da empresa.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade