Cidade romana de Balsa, uma realidade junto a Tavira

por: Zita Ferreira Braga
Cidade romana de Balsa, uma realidade junto a Tavira
Balsa em Tavira

Terminadas as escavações já é possivel visitar a cidade romana de Balsa, perto de Tavira


As escavações que trouxeram à luz do dia a cidade romana de Balsa resultaram de um projecto, "financiado pelo CRESC 2020, BALSA, Searching the Origins of Algarve, coordenado pela Universidade do Algarve em parceria com o Centro de Ciência Viva de Tavira, o Município de Tavira e a Direção Regional de Cultura do Algarve". 

A campanha deste ano incidiu em terrenos da antiga Quinta das Antas, em área periférica daquela urbe romana. À semelhança de anos anteriores, os trabalhos tiveram uma componente de deteção geofísica e de escavação. Foram utilizados um geomagnetómetro e um tomógrafo, pela equipa da Unidad de Geodetección da Universidade de Cádis, com o intuito de cruzar as leituras recolhidas do subsolo por estes aparelhos com os dados obtidos por georadar, nos anos anteriores.

Por outro lado  as escavações junto à Ria Formosa deram a conhecer detalhes sobre um importante e extenso complexo dedicado à transformação de preparados de peixe, permitindo conhecer alguns tanques, onde se produziam molhos e pastas de peixe.

De momento, os dados apontam para que estas fábricas, ou parte delas, tenham funcionado nos séculos I e II d.C., sendo controladas por uma grande e rica casa (villa) que se situava numa plataforma mais elevada a pouco mais de 100 metros.

Parece que após o abandono desta villa, ainda no século II, pelo menos parte das fábricas terão continuado a funcionar até aos séculos IV ou mesmo V, de acordo com cerâmicas dessa época encontradas sob o derrube de um telhado que preencheu um dos tanques escavados.

Desta grande e rica casa escavou-se uma divisão com um pavimento de mosaico. Séculos depois da casa ter sido abandonada e, aparentemente, quando os restos da casa já estavam soterrados e não se viam, implantou-se uma sepultura estruturada com grandes pedras, cobertas por ladrilhos argamassados, o que obrigou a cortar um dos muros e parte do pavimento de mosaico. Esta sepultura apresenta algumas características típicas das primeiras sepulturas cristãs que se conhecem na região a partir do século V.

Neste momento, o objectivo principal do projecto que visava determinar com bases científicas, o perímetro urbano da cidade romana de Balsa e o grau de preservação das suas ruínas foram, globalmente, atingidos. De sublinhar que o avanço do conhecimento só foi possível graças ao apoio de alguns proprietários dos terrenos,

RIU Hotels & Resorts

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade