Desconfine em Cinfães entre a Serra de Montemuro e o Rio Douro

 A única maneira de recuperar o equilíbrio entre o corpo e a mente é estar em comunhão com a natureza. 



Cinfães é o local poderá ser o local ideal onde com a natureza se inspira saúde.

 “Agora, que chegou a altura de voltar a viver, Cinfães é um destino naturalmente único para uma escapadinha ou, quem sabe, umas férias”, refere a nota de imprensa

Entre o cimo da serra de Montemuro, uma montanha mágica, e a foz do Rio Paiva, no Rio Douro, o visitante encontra a aridez da montanha, olhando o verde das margens do Douro, do Bestança, do Paiva, a Serra do Marão e a Serra da Estrela, alcançando as planícies verdejantes da Queda de Água do Rio Sampaio ou a Cascata da Ribeira de Tendais. Trata-se de locais de grande beleza natural, como o vale dos Bestança, onde a mão do homem se manteve longe.

O rio Bestança nasce na serra de Montemuro e desce até ao Douro em quase 14 km de “Bestias”, termo que significa correr naturalmente em zona de fauna e flora selvagem.

Em aldeias como a da Gralheira, a 1200 metros de altitude em plena serra de Montemuro, “a história permanece imóvel com povo humilde e acolhedor”.

E na nota de imprensa pode ainda ler-se: “a serra continua a ter as mesmas flores de há duzentos anos. Os pássaros fazem ali os seus ninhos. Os ruídos são do vento a passar e da água a correr pelos ribeiros”.


Cinfães é a natureza intocada. A magia que vai da serra ao rio, da Princesa da Serra ao Vale Encantado, um conto de fadas, um paraíso a descobrir pelo homem. De carro, de bicicleta ou a pé, Cinfães recebe de braços abertos aqueles que querem escapar do mundo.


O local ideal para recuperar dos dias encerrados entre quatro paredes. Cinfães está perto de tudo e longe do reboliço e stress do dia-à-dia. Na margem esquerda do Douro, está a cerca de uma hora dos centros urbanos do Porto, Braga e de Aveiro, e a menos de uma hora de Viseu.


Mas, porque, não é só a alma que precisa de alimento, o corpo também, Cinfães oferece uma gastronomia diversificada. Apoiada numa comida de conforto com séculos de tradição. Ninguém resiste a uns rojões à moda de Cinfães, uma posta de vitela arouquesa e os famosos Matulos, uns bolos de manteiga que são os reis da doçaria regional local, regados com um vinho verde fresco e apaladado.

 

A magia de Cinfães está à distância de um clique. O paraíso não fica tão longe quanto isso! A inspiração para escolher o que fazer neste destino naturalmente único encontra-se no Facebook VisitCinfaes, no Instagram visit.cinfaes e no site VisitCinfães.

A sugestão é simples: porque não começar começar por um “Roteiro GPS” de, pelo menos, três dias,?::

Dia 1:

Experiência “Siga o Rebanho”.

Visita ao Museu Etnográfico de Nespereira.

Dia 2:

Visita guiada ao Museu Serpa Pinto e zona central envolvente.

Experiência gastronómica com posta arouquesa ou arroz de aba.

Visita ao Miradouro do Teixeirô.

Dia 3:

Visita à Serra da Gralheira com paragem obrigatória pela Ponte da Panchorra e as Muralhas das Portas de Montemuro.

Terminar o dia com a Visita à Igreja Nossa Senhora da Natividade de Escamarão, parte integrante da Rota do Românico.

Para ficar bem relaxado, experimentar uma aula de yoga em pleno rio Bestança (Esteja atento e procure um dia com concerto nas margens do rio enquanto ouve a partir de uma prancha de Stand Up Paddle, uma atividade única no País).

Ou

Passeio de barco com saída do Cais do Escamarão.

RIU Hotels & Resorts

#EstamosON

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade