Pearl Harbor 75 anos: Primeira visita de um governante japonês ao memorial

por: António Manuel Teixeira
Pearl Harbor 75 anos: Primeira visita de um governante japonês ao memorial
Nicholas Kamm / AFP

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, homenagearam, no memorial "USS Arizona", as vítimas do ataque a Pearl Harbor, cometido há 75 anos.

Shinzo Abe esteve no memorial do 'USS Arizona', navio americano bombardeado pelos japoneses há 75 anos.

No seu discurso, Abe, conforme esperado, não pediu desculpas em nome do Japão, mas ofereceu condolências e falou sobre os soldados mortos no ataque. "Cada um deles tinha pai e mãe, muitos tinham esposas e namoradas. Muitos tinham filhos que os adorariam terem visto crescer. Tudo isso foi encerrado. Quando contemplo isso, fico completamente sem palavras".

Na sua visita a Hiroshima este ano, Obama também lamentou, mas não pediu desculpas pelo ataque americano que lançou uma bomba atómica sobre a cidade japonesa.

Abe disse ainda que depositou flores nas águas em nome dos japoneses. E dirigiu-se a Obama, às pessoas nos EUA e no resto do mundo, dizendo oferecer suas "mais profundas condolências pelas pessoas que morreram aqui e por todas as pessoas inocentes que se tornaram vítimas da guerra" e afirmando que "não devemos nunca mais repetir os horrores da guerra".

O primeiro-ministro japonês lembrou ainda o papel dos EUA em reabilitar o seu país na diplomacia internacional após o fim da guerra e disse que as duas nações se uniram pelo "poder da reconciliação". Afirmou também que a união de ambos os países é uma "aliança de esperança" para o futuro.

Obama disse que a visita de Abe é uma lembrança de que as feridas de uma guerra podem dar espaço a uma amizade e chamou o local da homenagem de "sagrado" para os americanos, citando nominalmente alguns dos soldados que executaram actos de heroísmo durante o ataque, salvando a vida de colegas.

"Aqui em Pearl Harbor, a primeira batalha dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial despertou uma nação. Aqui, de muitas maneiras, a América amadureceu", afirmou.

Obama acrescentou que os dois países "escolheram a amizade e a paz" e recordou que os ex-inimigos se tornaram dois dos mais importantes aliados do mundo. "A aliança dos EUA com o Japão permanece como um pilar da paz na Ásia e no Pacífico e uma força de progresso ao redor do mundo e nunca esteve tão forte".

Acrescentando que "os frutos da paz sempre superam o mal da guerra. Esta é a verdade duradoura deste porto sagrado".

Ao dar as boas-vindas a Abe, Obama disse que, juntos, espera que eles dêem ao mundo a lição de que há muito mais a se ganhar com a paz do que em guerra. "Não podemos escolher a história que herdamos. Mas podemos escolher as lições que tiramos dela", concluiu.

O ataque da aviação japonesa, preparado durante meses em segredo, provocou mais de 2.400 mortes e colocou os Estados Unidos definitivamente na Segunda Guerra Mundial.

É a primeira vez que um governante japonês visita o memorial, construído no início de 1960 e que atrai mais de dois milhões de turistas por ano.

Acessível apenas de barco, o prédio branco do memorial foi erguido sobre os destroços do navio "USS Arizona".

No extremo da estrutura aberta ao mar, há uma imensa parede sobre a qual estão gravados os nomes dos 1.177 americanos que perderam a vida a bordo do "USS Arizona".

 

QATAR turismo

RIU Hotels & Resorts

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade