Homenagem a José Carlos Ary dos Santos

por: Zita Ferreira Braga
Homenagem a José Carlos  Ary dos SantosJosé Carlos Ary dos Santos, poeta da Revolução é homenageado no próximo dia 6 de Maio, num espectáculo que terá lugar no Coliseu dos Recreios, com a participação de Carlos do Carmo. 

Esta iniciativa, que se realizará no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, insere-se no âmbito das comemorações do 35º aniversário do 25 de Abril, num conjunto alargado de iniciativas com que o PCP assinalará esta data. 

José Carlos Ary dos Santos nasceu em Lisboa, 7 de Dezembro de 1937 e faleceu na sua cidade a 18 de Janeiro de 1984.

Oriundo de uma família da alta burguesia, José Carlos Ary dos Santos, o Ary, vê publicados aos 14 anos, através de familiares, alguns dos seus poemas,  que aliás considerava muito maus.
No entanto, Ary dos Santos revelaria verdadeiramente as suas qualidades poéticas em 1954, com dezasseis anos de idade. É nessa altura que vê os seus poemas serem seleccionados para a Antologia do Prémio Almeida Garrett.

É então que Ary dos Santos abandona a casa da família, exercendo as mais variadas actividades para seu sustento económico, que passariam desde a venda de máquinas para pastilhas até à publicidade.

Contudo, paralelamente, o poeta escreve sempre e em 1963 acontece a sua estreia efectiva com a publicação do livro de poemas A Liturgia do Sangue (1963).

Em 1969 inicia-se na actividade política ao filiar-se no PCP, participando de forma activa nas sessões de poesia do então intitulado "canto livre perseguido".

Entretanto, concorre, sob pseudónimo como exigia o regulamento, ao Festival RTP da Canção com os poemas Desfolhada Portuguesa (1969), Menina do Alto da Serra (1971) e Tourada (1973), obtendo os primeiros prémios.
É aliás através deste campo – o da música - que o poeta se torna conhecido entre o grande público.

Autor de mais de seiscentos poemas para canções, Ary dos Santos fez no meio muitos amigos.
Gravou, ele próprio, textos ou poemas de e com muitos outros autores e intérpretes e ainda um duplo álbum contendo O Sermão de Santo António aos Peixes do Padre António Vieira.

À data da sua morte tinha em preparação um livro de poemas intitulado As Palavras das Cantigas, onde era seu propósito reunir os melhores poemas dos últimos quinze anos (publicado postumamente), e um outro intitulado Estrada da Luz - Rua da Saudade, que pretendia fosse uma autobiografia romanceada.

O poeta morre a 18 de Janeiro de 1984. O seu nome foi dado a um largo do Bairro de Alfama, descerrando-se uma lápide evocativa na casa da Rua da Saudade, onde viveu praticamente toda a sua vida.

Ainda em 1984,no decorrer de uma sessão na Sociedade Portuguesa de Autores, da qual o autor era membro, foi lançada a obra VIII Sonetos de Ary dos Santos, com um estudo sobre o autor de Manuel Gusmão e planeamento gráfico de Rogério Ribeiro.

Em 1988, Fernando Tordo editou o disco "O Menino Ary dos Santos" com os poemas escritos por Ary dos Santos na sua infância.

Mídia

NULL

RIU Hotels & Resorts

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade