Barcelona será o primeiro porto a receber o Costa Smeralda

O Costa Smeralda, a grande novidade da Costa Cruzeiros é o primeiro navio movido a Gás Natural Liquefeito, (GNL), o que reduz significativamente o impacto ambiental.


Barcelona foi a primeira escala técnica do Costa Smeralda, o navio da Costa Cruzeiros movido a Gás Natural Liquefeito (GNL), uma inovação na indústria dos cruzeiros que reduz significativamente o impacto ambiental da sua actividade no planeta.

O uso de GNL é uma medida essencial para a proteção e responsabilidade ambiental da empresa.

Deste modo pode ser garantida, a qualidade do ar através da eliminação virtual de emissões de dióxido de enxofre (zero emissões) e outras partículas, cuja redução estimada é de 95 a 100%.
“O GNL vai também reduzir significativamente as emissões de óxido de nitrogénio (redução direta de 85%) e de dióxido de carbono (redução de até 20%).”, lê-se na nota de imprensa

O porto de Barcelona foi o primeiro a receber o Costa Smeralda, depois de este ter zarpado do estaleiro Meyer, em Turku, onde foi construído.

As autoridades locais foram informadas da chegada do navio que, durante a sua paragem em Barcelona, foi reabastecido com GNL e apresentado às agências locais.
A primeira partida do Costa Smeralda terá lugar em Savona a 21 de Dezembro regressando a Barcelona a 23 de Dezembro, com passagem por Marselha, Palma de Maiorca, Civitavecchia e La Spezia.

O Costa Smeralda é o primeiro navio da frota da Costa Cruzeiros a usar GNL como combustível, tanto no porto como no mar.

Esta unidade faz parte do plano de expansão do Grupo que “inclui um investimento de mais de seis biliões de euros em sete navios a serem entregues ao Grupo Costa até 2023”.

Cinco dos sete navios, incluindo o Costa Smeralda e o seu navio irmão Costa Toscana, actualmente em construção no estaleiro, sendo terminado previsivelmente em 2021, serão movidos a GNL, o que “contribui significativamente para a diminuição do impacto ambiental em toda a frota”.

Este navio de nova geração é essencial para cumprir o objectivo ambicioso com que o Grupo Costa se comprometeu: reduzir em 40% as emissões de dióxido de carbono em toda a sua frota até 2020, dez anos antes da meta estabelecida pela Organização Marítima Internacional (IMO).

A concretização do Costa Smeralda só comprova que o uso de GNL como combustível é uma realidade cada vez mais palpável no sector dos cruzeiros. O Grupo Costa foi o primeiro a acreditar e a investir nesta nova tecnologia, construindo cinco novos navios movidos a GNL, o que alavanca a nossa liderança no turismo sustentável. Estamos alinhados num propósito de responsabilidade ambiental e estabelecemos um novo rumo para a mudança, com a garantia de que o GNL reduz significativamente o nosso impacto ambiental, mas sem comprometer os aspectos de segurança que para nós são prioritários. Estamos felizes de que Barcelona seja a primeiro paragem Costa Smeralda, pois é um porto onde temos fortes ligações e que desempenhará um papel essencial no desenvolvimento da tecnologia de GNL para os nossos navios”, disse Neil Palomba, Presidente da Costa Cruzeiros, que acrescentou ainda “O Costa Smeralda representa a inovação, mas permanece a hospitalidade italiana como elemento fundamental e distintivo da nossa marca, capaz de entusiasmar não apenas os novos passageiros, como também os mais experientes”.


Barcelona será um importante porto para o desenvolvimento da tecnologia GNL na indústria dos cruzeiros, com três navios do grupo Costa movidos por este combustível a visitar regularmente a cidade. O Costa Smeralda vai fazer cerca de 100 ligações até ao final de 2021, em cruzeiros semanais no Mediterrâneo Ocidental. A partir desse mesmo ano, o Costa Toscana também vai começar a passar em Barcelona todas as semanas. No caso do AIDAnova, que já passava em Barcelona semanalmente desde 2019, vai continuar a fazê-lo em 2020.  Os três navios vão reabastecer-se de GNL exclusivamente em nesta cidade espanhola.


O Costa Smeralda vai fomentar o aumento do impacto económico gerado pelo Grupo Costa em Barcelona, e por consequência, em Espanha. De acordo com um estudo recente realizado pela Deloitte & Touche, em parceria com a Universidade de Génova e a Universidade de Hamburgo, os gastos dos hóspedes do Grupo Costa são de, em média, 74,6 euros por passageiro em todos os portos europeus visitados

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade