Queer lisboa 22: “Sauvage” ou como se perde uma oportunidade

No seu primeiro dia de exibição de filmes foi exibido entre outros “Sauvage” do realizador Camille Vidal Marquet. Consulte a agenda para hoje, com destaque para a Apresentação do livro Queer Arquivo LGBT, com entrada livre.

A história de “Leo”, protagonizado por Felix Maritaud, uma interpretação a não esquecer, é simples e não fácil. Leo, tem 22 anos, é prostituto em Estrasburgo e passa os dias procurando clientes e as noites com qualquer deles.
Apaixonou-se por um hétero, Abd, que entretanto sai de França com alguém que lhe dará uma vida melhor.


Sem amor, com a saúde abalada, Leo encontra Claude que o quer levar para o Canadá e talvez então a sua vida tomar um rumo.
Camille Marquet faz uma extraordinária abordagem do mundo da prostituição masculina.

Violência, extremos eróticos pouco admissíveis, maldade pura na vontade de amachucar o outro, um mundo onde o amor não existe. E Léo precisa de amor, urgentemente. A forma como abraça a médica que lhe revela o seu estado de saúde é revelador.

Camille Marquet, passo a passo, faz Léo percorrer um caminho solitário, de altos e baixos, amargura, muita solidão, sem amor.
As cenas de grupo dos prostitutos a verem os aviões partir para outras terras, onde a vida será mais fácil, quem sabe, falam sem legendas.

“Sauvage” é um filme onde os sentimentos são tudo menos selvagens. São intensos, profundos, e mesmo contagiantes. Fica-nos no entanto a sensação da oportunidade perdida.

"Sauvage" teve honras de estreia na Semana de Crítica do Festival de Cannes de 2018 e é um dos filmes na competição de longa Metragem do Queer 22.

No dia de hoje, pelas 17:00, será exibido o Documentário "Los Leoones", na sala 3, e pelas 19:15 a primeira sessão de Curtas-Metragens e termina com o filme, inserido no Queer Art, "Infernimo" prelas 21:30.

Já na sala Manoel de Oliveira, pelas 17:15 o filme "Kevyn Aucoin: Beuaty & the Bestie and Mine" - inserido na categoria Panorama;  19:30 "Buddies" - inserido no "O Virus e o Cinema", o dia termina com a Longa-Metragem "Girl", pelas 22:00.

Destaque para, com entrada livre, pelas 18:30 na sala 2 "Apresentação do livro Queerquivo - arquivo LGBT português". O Queerquivo é um novo arquivo LGBT português que nasceu da falta de registo de vidas conhecidas ou anónimas, e ligadas ao universo LGBT do nosso país. O projecto do encenador e dramaturgo André Murraças começou em maio sob a forma de site e ganha agora forma como livro onde estão reunidos todos os testemunhos e alguns inéditos.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade