A Cruise Lines publica o Inventário de Tecnologias e Práticas Ambientais

A Cruise Lines publica o Inventário de Tecnologias e Práticas Ambientais
zip.news

O relatório anual mostra o compromisso constante com as práticas turísticas responsáveis ​​e os progressos no desenvolvimento e implementação de novas tecnologias ambientais.

A Cruise Lines International Association (CLIA), o grande expoente da indústria global de cruzeiros, publicou o seu Inventário de Tecnologias e Práticas Ambientais e o respectivo Relatório Ambiental elaborado pela Oxford Economics (OE). O relatório, que evidencia o compromisso do setor com as práticas de turismo responsável e com o progresso contínuo no desenvolvimento e implementação de novas tecnologias ambientais, surge numa altura em que os associados transoceânicos da CLIA se comprometem a descarbonizar como operações de navios, estabelecendo uma meta de cruzeiros com emissão zero até 2050.

"Embora o nosso sector tenha sido um dos mais afectados pela pandemia, as companhias de cruzeiro permanecem na vanguarda do desafio de desenvolver novas tecnologias ambientais que beneficiem todo o sector da navegação", afirmou Kelly Craighead, que garantiu que "a nossa indústria está empenhada em atingir a neutralidade carbónica nas operações de navios até 2050, e a CLIA e as nossas companhias de cruzeiros associadas já estão a investir em novas tecnologias e combustíveis mais limpos para concretizar este objectivo", concluiu o presidente e CEO da CLIA.

Pela primeira vez, o Relatório Ambiental da OE aborda igualmente o desafio inerente à necessidade de novos combustíveis alternativos e das medidas que a indústria está a tomar para sustentar esta evolução.  Além do GNL, é de realçar que mais de três quartos da frota global de cruzeiros, por capacidade de passageiros, já estão equipados de forma a utilizar combustíveis alternativos.

As fontes de combustível alternativas aos fuelóleos pesados em desenvolvimento incluem biodiesel, metanol, amoníaco, hidrogénio e baterias elétricas.  De acordo com o relatório, subsistem obstáculos de ordem técnica, de abastecimento e regulamentação à adopção em larga escala destes combustíveis, mas o investimento crescente da indústria de cruzeiros em novos navios está a facilitar a investigação e o desenvolvimento dos mesmos.

"Este relatório mostra uma indústria de cruzeiros resiliente, inovadora e virada para o futuro" , garantiu Pierfrancesco Vago e acrescenta,  "sabemos que ainda temos muito trabalho pela frente, mas a indústria de cruzeiros tem marcado tanto o seu compromisso como a sua capacidade de enfrentar o desafio " , descobri.

As companhias de cruzeiro dos associados da CLIA comprometem-se a uma redução de 40% na taxa de redução de carbono em toda a frota global até 2030, em comparação com 2008, em consonância com as expetativas de redução da intensidade de carbono da Organização Marítima Internacional (OMI).

RIU Hotels & Resorts

#EstamosON

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade