Noite de samba e alegria no Rio de Janeiro

Noite de samba e alegria no Rio de Janeiro
Alex Nunes

Mais uma noite de verão no Rio de Janeiro e a poucos dias do Carnaval, as quadras das escolas samba não param.

Componentes, moradores e turistas entram no clima, “arriscam passos e cantam a plenos pulmões os sambas que vão embalar o desfile de milhares de pessoas no Sambódromo.”

Pela 22:00 “quando entramos na rua Silva Teles, no bairro do Andaraí, na zona Norte. É aqui o endereço de uma das mais tradicionais agremiações da folia carioca: o Salgueiro.
Esta escola, que já levantou a taça nove vezes, “costuma fazer desfiles memoráveis e reúne quatro mil pessoas por noite.”

Na rua, estão componentes, “a maioria com camisa da escola ou roupas brancas e vermelhas, as cores do Salgueiro.

Antes de se acabar no samba, é possível “tomar uma cerveja, comer algum petisco, como batata frita e espetinhos de carne e frango, e sentar para trocar uma ideia com quem chega para a festa”.

Barraquinhas, mesas e cadeiras tomam esse trecho da rua. Na porta da quadra, o público vai chegando. Convidados e componentes entram sem pagar ingressos, que na hora custam R$ 50.


Quem passa pela roleta “encontra uma quadra com ótima estrutura de bares, banheiros e ar condicionado.”

É bem verdade que o calor é inevitável nos primeiros acordes da bateria. Antes da meia-noite, a quadra é animada por um grupo de pagode.

É hora de dar aquela volta pelo ambiente e escolher um lugar perto da bateria. Depois do boa noite do locutor oficial, no palco, chegam os intérpretes oficiais da escola. No lado oposto, a bateria prepara-se para contagiar o público.

Em 2019, “o Salgueiro vai contar a história de Xangô, entidade espiritual que faz parte das religiões afro-brasileiras, como Umbanda e Candomblé. Diz a tradição Nagô que Xangô é o orixá da justiça.

 É exactamente esse enredo que é narrado pelo samba da escola. Com refrão contagiante, ele é cantado ininterruptamente para alegria dos componentes.

Enquanto isso, “passistas, porta-bandeira e mestre-sala, baianas e a rainha de bateria, Viviane Araújo, se apresentam para um público atento.”

Prepare o seu smartphone para tirar selfies e gravar tudo. Com sorte, você pode levar para casa uma foto com uma das musas da escola.
Em seguida, a bateria e os intérpretes não dão descanso para o público e começam a cantar uma sucessão de sambas consagrados. E isso inclui canções de todas as agremiações do Grupo Especial.”


Então, se não quer chegar na quadra por conta própria, uma opção “é participar do Salgueiro Experience, um programa de atendimento e experiências voltado exclusivamente para turistas. A programação inclui recepção com as passistas, oficinas de samba, visita à loja oficial e, claro, o ensaio da escola. Para isso, é preciso agendar pelo telefone 55 21 2238-0389.”

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade