Isaltino Morais promete “nova vida” para a Quinta Real de Caxias

Município insiste na transferência da tutela por parte do Governo uma vez que o espaço não cuidado evidencia “avançado estado de degradação”.

 

O Presidente do Município de Oeiras, Isaltino Morais, ao visitar  a Quinta Real de Caxias para uma nova avaliação do espaço, responsabilizou o Governo pelo seu avançado estado de degradação e abandono, nomeadamente os elementos arquitectónicos do Paço Real.


A Quinta Real de Caxias tem sido reclamada pela Câmara de Oeiras há vários anos, para que possa assumir a sua gestão.

Temos um projeto para reabilitar este valioso património cultural e histórico e condições financeiras para o concretizar, mas o Estado não nos tem permitido isso e, assim, vamos assistindo à sua cada vez maior degradação e impossibilidade de ser usufruído pela população”, salientou  o Presidente da câmara de Oeiras.


Desde o primeiro protocolo que a Câmara Municipal de Oeiras estabeleceu com o Ministério da Defesa, em 1986, têm sido desenvolvidos esforços para que este património seja recuperado e, mesmo sem ser da sua competência, a Autarquia conseguiu abrir os jardins à população, após uma intervenção nos espaços verdes que incluiu a recuperação do seu valioso património artístico, designadamente os grupos escultóricos em terracota, da autoria de Machado de Castro, magnificamente enquadrados pelo conjunto que compõe a Cascata Real.


 Isaltino Morais lembrou que a autarquia já investiu cerca de 4 milhões de euros, desde 2009, ano em que se começou a desenvolver um novo conceito para os jardins da Quinta Real de Caxias, o qual se pretende que seja um dos maiores parques urbanos do concelho.

O presidente da Câmara Municipal de Oeiras alertou ainda para o antigo Convento da Cartuxa, em igual estado de degradação e cuja propriedade é do Ministério da Justiça, com quem já estão a ser desenvolvidas negociações.

O Estado não nos tem permitido resolver os problemas de abandono do património. Há dinheiro, há projetos, há vontade política mas neste país tudo emperra na Direção Geral de Tesouro”, sublinhou.

A visita à Quinta Real de Caxias surgiu no âmbito das Visitas de Trabalho que o Executivo liderado por Isaltino Morais realiza habitualmente às sextas-feiras e que visam analisar no terreno eventuais problemas e tomar decisões na mesma ocasião.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade