Comissão Europeia aprovou Plano de Reestruturação da TAP

Bruxelas aprovou o Plano de Reestruturação da TAP obrigando, entre outras, a 'perder' 18 'slots' diários, para outras companhias no Aeroporto de Lisboa.

A Comissão Europeia indicou, em comunicado: "Hoje 21 de Dezembro, na sequência da sua investigação aprofundada e dos comentários das partes interessadas e de Portugal a Comissão aprovou o plano de reestruturação proposto".

Especificando que "o plano de apoio assumirá a forma de 2,55 mil milhões de euros de capital próprio ou de medidas de quase-capital, incluindo a conversão do empréstimo de emergência de 1,2 mil milhões de euros em capital próprio".

Bruxelas explica que o aval de hoje surge após uma investigação aprofundada, iniciada a 16 de Julho passado, para avaliar melhor a conformidade do plano de reestruturação proposto por Portugal para a TAP e do auxílio conexo, sendo que nesse mesmo dia a instituição "voltou a aprovar um auxílio de emergência de 1,2 mil milhões de euros a favor da companhia aérea, na sequência da anulação da decisão inicial do Tribunal Geral sobre o auxílio de emergência".

A vice-presidente executiva da Comissão Europeia com a pasta da Concorrência, Margrethe Vestager, assinala, conforme comunicado que "o apoio público significativo virá com salvaguardas para limitar as distorções da concorrência", já que a TAP se comprometeu a disponibilizar 'slots', que as companhias aéreas podem usar para descolar e aterrar, no aeroporto de Lisboa, "onde detém poder de mercado significativo".

De acordo com a Comissão Europeia, o plano implica também a separação dos negócios da TAP e Portugal por um lado e o activos não-essenciais, nomeadamente no negócio de manutenção no Brasil, e os de 'catering' e de 'handling' , que deverão ser alienados.

Margrethe Vestager adiantou: "Isto dá às transportadoras concorrentes a oportunidade de expandir as suas actividades neste aeroporto, assegurando preços justos e uma maior escolha para os consumidores europeus".

O plano "estabelece um pacote de medidas para racionalizar as operações da TAP e reduzir os custos", nomeadamente a divisão de actividades entre, por um lado as da TAP Air Portugal e da Portugalia (que serão apoiadas e reestruturadas), e por outro a alienação de "activos não essenciais" como filiais em actividades adjacentes de manutenção (no Brasil) e restauração e assistência em terra (que é prestada pela Groundforce)".

Além disso, a TAP ficará "proibida de quaisquer aquisições e reduzirão a sua frota até ao final do plano de reestruturação, racionalizando a sua rede e ajustando-se às últimas previsões que estimam que a procura não irá aumentar antes de 2023 devido à pandemia", ressalva a Comissão.

Relativamente aos 'slots', a Comissão Europeia especifica que a TAP "disponibilizará até 18 por dia no aeroporto de Lisboa a uma transportadora concorrente", que será escolhida através de um "processo de selecção transparente e não-discriminatório".

O primeiro convite à apresentação de propostas terá lugar antes da época de inverno de 2022-23.

"Estas medidas permitirão a entrada ou expansão duradoura de uma transportadora concorrente neste aeroporto, em benefício dos consumidores", assinala Bruxelas, justificando este compromisso com a "grande presença" que a TAP tem no aeroporto de Lisboa, "estruturalmente muito congestionado".

Margrethe Vestager conclui que as medidas hoje aprovadas -- que incluem ainda uma ajuda estatal de Portugal de 107,1 milhões de euros para compensar consequências negativas da pandemia -- irão permitir "compensar a TAP pelos danos directamente sofridos em resultado das restrições de viagem", enquanto o plano de reestruturação "assegurará o caminho da companhia aérea para a viabilidade a longo prazo".

O Governo entregou à Comissão Europeia, há um ano, o plano de reestruturação da TAP, tendo entretanto implementado medidas como a redução de trabalhadores

Após a Comissão Europeia ter aprovado, em 10 de Junho de 2020, o apoio estatal de até 1.200 milhões de euros à TAP, a companhia teve seis meses para apresentar um plano de reestruturação que convença Bruxelas de que a empresa tem viabilidade futura.

Em Agosto deste ano, a Comissão Europeia admitiu recear que o auxílio de 3.200 milhões à reestruturação da TAP viole as regras de concorrência, uma queixa que tem sido repetida por outras companhias aéreas, como a Ryanair.

Bruxelas disse ainda duvidar que o apoio de 3.200 milhões garanta de vez a viabilidade da companhia, apesar de reconhecer a importância de o Estado português salvar a transportadora aérea.

De acordo com o relatório que acompanhava a proposta de Orçamento do Estado para 2022, o Governo previa injectar 1.988 milhões de euros na TAP este ano e em 2022.

Lusa/O Turismo.PT

RIU Hotels & Resorts

#EstamosON

Artigo de Opinião

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade