IATA apresenta uma análise sobre a situação na indústria aeronautica

IATA apresenta uma análise sobre a situação na indústria aeronautica
Divulgação

A Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA) apresentou uma nova análise mostrando que é preciso que a indústria aeronáutica contenha os deslizes económicos para evitar as bancarrotas em 2021 e para preservar o emprego.


IATA reitera o seu pedido para que se consigam medidas que segurem financeiramente as empresas aéreas evitando despedimento em massa.

IATA também solicita um teste prè voo de Covid19 no sentido de abertura de fronteiras e possibilidade de viajar sem quarentena.

Os proveitos previstos para 2021 descem 46% em comparação com 2019, ou seja 838 bilhões de dólares.
Uma análise prévia prevê para 2021 uma descida de 29% em comparação com 2019.


Isto baseia-se em expectativas em relação a uma recuperação que começará no último trimestre de 2020.


A recuperação tem sido adiada devido aos adiamentos causados pela Covid19 e o fecho de fronteiras e a obrigação de quarentena imposta pelos países.


Para Alexandre Juniac, director geral e CEO da IATA afirma: “O ultimo trimestre de 2020 será extremamente difícil e há poucas hipóteses de que o princípio de 2021 seja melhor, desde que as fronteiras continuem fechadas e se mantenha a quarentena para as saídas e as chegadas. Sem qualquer momento de alívio financeiro para as companhias de aviação. E não podemos cortar as despesas para poder salvar quaisquer outras despesas”.

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade