American Airlines com uma quebra de receitas de 73,4%, em nove meses

American Airlines com uma quebra de receitas de 73,4%, em nove meses
Divulgação

A American Airlines registou um um prejuízo líquido de 2,4 mil milhões de dólares, com uma quebra das receitas em 73,4%.

O balanço do trimestre indica que a companhia retirou 150 aviões da frota, chegou a acordo com a Boeing para adiar a recepção de 18 B737 MAX e teve mais de 20 mil funcionários a optarem por desvincularem-se mais cedo ou optarem por licença de longo prazo, bem como mais 19 mil em lay-off desde 01 de Outubro.

O balanço mostra que a quebra de receitas em 73,4% foi com decréscimo das receitas de passagens em 76,9%, que baixaram 8.455 milhões de dólares, para 2.540 milhões, e que o resultado operacional do trimestre foi um prejuízo de 2.871 milhões de dólares, pior que no período homólogo de 2019 em 3.348 milhões.

Aquela que era a maior companhia de aviação, antes da pandemia, de Janeiro a Setembro a companhia declarou um prejuízo de 6.707 milhões de dólares, quando no período homólogo de 2019 tivera um lucro de 1.272 milhões.

os dados revelam que a companhia acumulou uma quebra de proveitos em 61,4% ou 21.146 milhões de dólares, para 13.309 milhões, principalmente pela quebra das receitas de passagens em 64,2% ou 20.337 milhões, para 11.328 milhões.

O resultado operacional no semestre elevou-se a 7.906 milhões de dólares, que compara com um lucro de 2.336 no período homólogo de 2019, e o resultado líquido foi um prejuízo de 6.707 milhões, que compara com um lucro de 1.272 milhões em 2019.
Fonte: PressTur

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade