Transavia France apenas vai operar para Portugal

Transavia France apenas vai operar para Portugal
Cristina Bernardo/Jornal Económico

A presidente executiva da Transavia, Nathalie Stubler, anunciou a abertura de novas rotas aéreas de Montpellier, França, para Faro e Porto, com início em Julho e até ao final de Agosto, considerando um "mercado-chave" para a empresa.

Nathalie Stubler, CEO da companhia aérea ‘low cost’ do Grupo Air France/KLM assumiu que “para nós, Transavia France, Portugal é o nosso primeiro mercado”.

A CEO sublinhou que “em Portugal, começámos em 2007, com a rota entre Orly [Paris] e o Porto. Portugal é muito importante. As condições para a reabertura em Portugal são muito boas. Todas as medidas tomadas em Portugal tornaram a reabertura muito fácil”, na chegada do primeiro voo, a Portugal, após o encerramento do espaço aéreo.

Assim, entre o início de Julho e o final de Agosto, a companhia vai operar dois voos semanais para Faro, dois para o Porto e três para Lisboa.

Até 26 de Junho, quando a companhia espera reiniciar outras rotas, a Transavia France apenas vai operar para Portugal.

A gestora acrescentou que “Portugal é um mercado-chave para as empresas do Grupo Transavia. Estamos a lançar novas rotas para Portugal, a partir de Montpellier, para os três principais aeroportos portugueses, Lisboa, Porto e Faro. Apesar da crise, continuamos a investir neste mercado e a crescer a nossa rede".

Nicolas Notebaert, da Vinici Airports, sublinhou que “os passageiros que visitam Portugal gozam de excelentes condições de segurança sanitária e de experiência ao longo de toda a sua viagem, desde a origem ao destino, graças à mobilização do Turismo de Portugal e à boa coordenação entre aeroportos e companhias aéreas”.

Segundo o responsável da Vinci Airports, “este primeiro voo simboliza a proximidade política e económica entre Portugal e França, e demonstra a confiança da Transavia e da Vinci Airports na resiliência dos dois países nestes tempos de incerteza, e na importância da conectividade aérea para permitir a retoma de uma actividade turística que tanto tem contribuído para as pessoas, criado emprego e permitido a modernização das cidades”.

Florence Mangin, embaixadora de França em Portugal quis realçar que a retoma dos voos da Transavia para o aeroporto da capital traduziu uma “conjugação entre a liberdade e a segurança”, noticiou o Jornal Económico.

A diplomata referiu que “a liberdade de circulação no espaço Schengen, com a reabertura das fronteiras aéreas”, mas também “a salvaguarda de segurança de passageiros e de funcionários”, assinalou.

Florence Mangin concluiu afirmando que “esta reabertura das fronteiras internas era já há muito esperada, quer pelos profissionais de turismo, quer pelos cidadãos, com a aproximação das férias”.

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade