ANA propõe redução do período de trabalho

 


ANA aeroportos avançou com uma proposta de  licenças sem vencimento e redução do período de trabalho aos trabalhador para além do “gozo antecipado de férias para reduzir o impacto da crise provocada pelo coronavírus.

A ANA - Aeroportos de Portugal propõe aos trabalhadores licenças sem vencimento, redução em 20% do período normal de trabalho durante três meses e o gozo antecipado de férias para reduzir o impacto da crise provocada pelo novo coronavírus.

Numa carta enviada hoje aos trabalhadores, a que a Lusa teve acesso, o presidente executivo da ANA, Thierry Ligonnière, apela "à adesão individual a uma ou mais medidas de apoio", entre as quais constam a atribuição de licenças sem vencimento, redução temporária de 20% do período normal de trabalho durante três meses ou o gozo antecipado de férias relativas a 2020.


Esta empresa gestora dos aeroportos nacionais anuncia a aplicação de um corte de 20% nos salários da Comissão Executiva, a suspensão da distribuição de prémios durante o período da crise, da revisão da tabela salarial e da actualização do subsídio de refeição até ao final do ano.

Na extensa carta, Thierry Ligonnière informa ainda que "deverão ser gozados os descansos compensatórios já vencidos e as férias relativas aos anos anteriores, até 30 de Abril" e que está suspensa a realização de trabalho suplementar, salvo se expressamente autorizado pela Comissão Executiva.

Além disso, refere, foram interrompidas as ações de consultoria externa, as contratações e adiadas ações de manutenção preventiva em infraestruturas e equipamentos não críticos.


Assumindo que as medidas já adoptadas "serão provavelmente insuficientes" para proteger o emprego, caso a recuperação não aconteça no curto prazo, a ANA apela então à "mobilização voluntária e solidária dos trabalhadores da empresa", através da adesão a uma ou mais das medidas propostas.

"Os directores e a equipa de recursos humanos irão, nos próximos dias, fornecer mais detalhes sobre estas opções e sobre a adesão às mesmas", refere o dirigente.

O presidente executivo da ANA salienta que "os aeroportos de Portugal atravessaram muitas situações difíceis ao longo da sua existência, entre depressões financeiras ou económicas globais, guerras, terrorismo e crises sanitárias internacionais".

Mas "a realidade é que as consequências da covid-19 na nossa actividade são as mais brutais alguma vez vividas, ultrapassando os efeitos acumulados dos atentados de Setembro de 2001 e da crise financeira de 2009", adverte.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou mais de 828 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 41 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados.


Depois de surgir na China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 160 mortes e 7.443 casos de infeção confirmados. Dos infectados, 627 estão internados, 188 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de Março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de Março e até às 23:59 de 02 de Abril. 

Fonte Lusa

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade