“TAP para de crescer…” afirmou Atonoaldo Neves no Aeroporto de Lisboa

Antonoaldo Neves, presidente executivo (CEO) da TAP, disse, na conferência de imprensa de apresentação de resultados 2019, que a companhia aérea "vai parar de crescer" e que não vai investir enquanto não tiver "confiança nos prazos do investimento" no aeroporto de Lisboa.


E segundo a Lusa, o dirigente continuou "A TAP tomou uma decisão. A TAP vai parar de crescer, porque a TAP não está mais disposta a investir contando que alguma coisa vai acontecer", anunciou Antonoaldo Neves, referindo-se aos "muitos constrangimentos" que têm acontecido face à operação aérea no aeroporto de Lisboa.


Atonoaldo Neves apresentava os resultados de 2019 do Grupo TAP, “que registou prejuízos de 105,6 milhões de euros”, embora com uma melhoria de 12,4 milhões de euros face às perdas de 118 milhões registadas em 2018.

O CEO da transportadora aérea garantiu que só quando tiver "confiança nos prazos do investimento" no aeroporto de Lisboa é que o Grupo volta a investir, nomeadamente na compra de mais aviões.

"Como é que eu posso fazer o meu próximo planeamento estratégico se eu não sei se vou ter os 'slots'?", admitiu Antonoaldo Neves, depois de a TAP ter anunciado esta semana o cancelamento de 1.500 voos no verão deste ano por falta de 'slots' (faixas horárias) no aeroporto de Lisboa.

No entanto, Antonoaldo Neves garantiu que todos os passageiros dos 1.500 voos cancelados "vão ser protegidos" e que "a TAP não depende de 1.500 'slots' para sobreviver de forma nenhuma", uma vez que esse valor equivale a três dias de operação num ano.

Segundo o CEO, a companhia sente-se "indignada por não poder crescer" e lamenta que, “só em passageiros transportados pela TAP, Portugal vai perder 150 mil turistas no verão”.


A transportadora especificou ainda que, no ano passado, teve 35 dias de operação limitada por causa do nevoeiro e 129 dias devido à realização de exercícios militares nas imediações do aeroporto da Portela, em Lisboa, o que significa que operou mais de metade do ano de 2019 com um atraso já embutido no aeroporto.


"O nosso maior desafio em termos de custo é o que a gente paga em termos de indemnizações a passageiros [...] por conta dos atrasos, por conta dos constrangimentos da infraestrutura aeroportuária aqui no aeroporto de Lisboa", esclareceu o vogal da comissão executiva da TAP Raffael Quintas, também presente na conferência de imprensa.


Relativamente ao pagamento de prémios a alguns trabalhadores “depois de apresentar prejuízos de cerca de 100 milhões de euros”, facto que Pedro Nuno Santos ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro considerou "inaceitável", Antonoaldo Neves recusou fazer quaisquer comentários, dizendo que "a comissão executiva não comenta política de remuneração da empresa".

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade