Iberia compra a Air Europa por mil milhões de euros

A histórica venda da Air Europa à Europa por mil milhões em cash levou a imprensa a tecer grandes elogios sobre Javier Hidalgo.



Não esquecendo no entanto que a companhia aérea foi uma obra pessoal do seu pai, Juan José Hidalgo, e do director chave da Air Europa, Richard Clark, reconhecido por todos.

Segundo escreve o ABC sobre o CEO de Globalia, “ Javier Hidalgo é um lince para os negócios, que vende no momento certo” de acordo com o mesmo jornal”. “De Pepephone a Air Europa: desta forma Javier Hidalgo aproveitou a pressa dos seus rivais para vender”, escrevia o Independente.

Desde a carta de despedimento à venda da Air Europa, este é o ressurgir de Javier Hidalgo, o “enfant terrible”, escreve o Economista, “ que liquida a “Air Europa”.
Deste modo Javier Hidalgo guindou-se a grande protagonista da operação de venda da jóia da coroa da Globalia.

A Imprensa reconheceu quase de forma unânime a sua habilidade negociadora, cujo mérito se está na intuição do patriarca Juna Jose Hidalgo e no seu director chave  na Air Europa, Richard Clarck.

A Air Europa foi obra de autor de Juan Jose Hidalgo. Foi ele quem negociou a compra de todos os aviões com os respectivos fabricantes, no que se tornou um especialista, tornando-se num dos principais executivos da Air Europa.

Foi também Juan Jose Hidalgo quem discutiu com todos os políticos  regionais, nacionais, caribenhos e latinos para conseguir ajudas e subvenções.
Trazia sempre no bolso da camisa ou do casaco um papel com as reuniões do dia.
Como precisava saber algo sobre linhas aéreas Pepe chamou para trabalhar com ele Richard Clarck, a pessoa que com ele melhor conhece a Air Europa. Nem a sua filha maria José Hidalgo directora geral, nem qualquer outro dirigente, sempre o seu querido Richard Clarck,  que representa um caso quase único de reconhecimento pessoal e profissional por todos os que trabalham com ele.
Até a Iberia sempre que teve de lidar com a Air Europa teve de trabalhar e contactar com Richard Clarck.

Hidalgo pai e Clarck formaram durante mais de 20 anos uma dupla capaz de criara a companhia aérea mais cara que foi vendida até à data.

Javier Hidalgo também herdou o sentido empreendedor de seu pai, mas em todos os seus negócios, embora em muitos deles se tenha aproveitado do resto das empresas da Globalia, nunca teve êxito à excepção da Pepephone, cujo mérito se deve atribuir à habilidade de Pedro Serrahima

Fracassou com asimobiliárias, com o Hotel Melody Maker de Cancún, com as placas solares ou com a sua aliança com a Ryanair

Javier Hidalgo tem agora outro desafio: voltara a dar o melhor impulso às agências impulsionadas por seu pai apoiado por Fernando García Rascón durante mais de duas décadas.

As negociações com Simón Pedro Barceló deram uns passos em frente embora com alguns transtornos para que Halcón eTravelplan integrem uma sociedade conjunta com Ávoris onde Globalia é minoritária. Mais um problema no caminho para o único filho varão do patriarca, considerado inteligente mas inconstante no trabalho, com mais capacidade para vender que para criar.

Fim do Ano

Fim do Ano

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade