Expansão da capacidade na região de Lisboa chave do desenvolvimento da Aviação em Portugal

Um estudo efectuado revela que a expansão da capacidade na região de Lisboa, adequação das taxas aeroportuárias e implementação de estratégia para a aviação nacional serão a chave para se conseguir o desenvolvimento continuado da aviação em Portugal

 


De acordo com o referido estudo para continuar o sucesso que a indústria do transporte aéreo tem em Portugal, “o país deve procurar aumentar a capacidade e a eficiência operacional em Lisboa, garantir que as respectivas taxas são baseadas nos custos e são custo-eficientes, e ainda implementar uma estratégia nacional de aviação, de acordo com um estudo recente sobre a competitividade dos transportes aéreos.”

Este estudo, de seu nome “Portugal Air Transport Regulatory Competitiveness Indicators  (Indicadores de Competitividade Regulamentar do Transporte Aéreo em Portugal), revela que Portugal “tem a décima primeira maior conectividade aérea na Europa e que a sua conectividade cresceu 81% entre 2013 e 2018.

Por outro acentue-se que a contribuição do transporte aéreo para a economia do país é de grande significado e importância, uma vez que se trata de uma indústria que “suporta 322 mil postos de trabalho em Portugal e representa cerca de 12.3 milhões de euros, o que corresponde a cerca de 6,6% do total do PIB.”

Mesmo considerando estes números já de si significativos, “o estudo estabeleceu um plano para que o transporte aéreo continue a sua trajectória de crescimento e gere ainda mais valor em Portugal:

  1. Abordar as graves limitações de capacidade da infraestrutra na região de Lisboa, melhorando a eficiência operacional e a capacidade no aeroporto Humberto Delgado, bem como convertendo a base aérea do Montijo para uso civil.
  1. Proteger os passageiros e as companhias aéreas de encargos excessivos que tipicamente praticados por monopólios naturais como aeroportos e prestadores de serviço de tráfego aéreo, assegurando uma estrutura de custos transparente e um processo de consulta adequado.
  1. Implementar uma estratégia de aviação nacional com as autoridades governamentais, reguladores, prestadores de serviços de navegação aérea, aeroportos e companhias aéreas, entidades militares e comunidades locais, para criar rotas e frequências adicionais, bem como custos mais baixos para todos
Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade