Alojamento Local: Lisboa e Porto, com quebras de facturação de 93% e 87%

Cerca de 80% do alojamento local (AL) registou uma queda de facturação superior a 75% durante o segundo trimestre de 2020, face ao mesmo período do ano anterior, revela um estudo do ISCTE.

Esta é uma das conclusões do inquérito realizado a 868 titulares e gestores de AL do país, promovido pelo DINÂMIA'CET - Centro de Estudos sobre a Mudança Sócio-económica e o Território, do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa.

De acordo com os dados recolhidos, as regiões mais afectadas foram Lisboa e Porto, com quebras de facturação de 93% e 87%, respectivamente, seguindo-se o Algarve, com uma perda de 68%.

Fora dos grandes centros urbanos, 56% dos alojamentos registaram menos 75% de facturação, porém 13% diz ter conseguido manter os números do ano anterior ou até mesmo aumentá-los.

"As regiões fora dos grandes centros, apesar da perda, foram os mais resistentes graças ao crescimento de turismo e à mobilidade interna motivada pelos receios do contágio e pela procura de territórios com uma menor densidade populacional e mais ligados à natureza", apontou, em comunicado, a coordenadora do estudo e professora do ISCTE, Sandra Pereira.

"Já o Porto e sobretudo Lisboa registaram maiores perdas de facturação na sequência da pandemia e da redução do turismo internacional", acrescentou.

Outra questão abordada pelo inquérito prendeu-se com a dependência financeira dos titulares e gestores das unidades de AL, com 40% a indicar que o rendimento destes espaços representa mais de metade do rendimento do seu agregado e 38% a afirmar não ter outra profissão.

Quanto às perspectivas para os próximos meses, 46% dos inquiridos acredita que a situação voltará aos níveis pré-pandemia já no próximo ano, 28% pensam ser possível um regresso à normalidade a partir de 2022 e 12% manifestou-se mais pessimista e não acredita que a situação volte a ser como era.

Apesar das perspectivas, 74% dos proprietários tem a intenção de continuar com o AL de curta duração pelo menos até ao final de 2020.

A principal alternativa, sobretudo no Porto e em Lisboa, é o AL de média duração. Já 17% pensa optar por um arrendamento de longa duração no mercado privado.

"A resistência ao arrendamento de longa duração tem múltiplas razões que se podem sobrepor: a quebra de rendimentos; a falta de confiança no Estado e na legislação de arrendamento; motivos relacionados com a vida pessoal (possibilidade de usufruto da habitação ou receio de perda de uma ocupação gratificante) ou as especificidades dos imóveis que não se adequam ao arrendamento de longa duração; perda da licença de AL ou mais valias de desafectação; manutenção dos imóveis ou motivações associadas ao compromisso temporal desta solução, que não permite uma eventual mudança de planos", concluiu a coordenadora do estudo.

No que diz respeito ao perfil dos proprietários e gestores de AL, o estudo observou que 65% têm entre 40 e 60 anos.
Texto: Jornal de Noticias

#EstamosON

Corona - Covid19

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Actualidade